Mundo

Média não perderam importância e procura de notícias é alta

Um quiosque de jornais em Londres, onde as capas continuam a dar destaque à entrevista de Harry e Meghan a Oprah Winfrey.

FACUNDO ARRIZABALAGA

Portugal tem 49 pontos em 78.

Os meios de comunicação não perderam a sua importância para os cidadãos e a procura por notícias continua elevada, segundo uma análise do "Media for Democracy Monitor (MDM) 2021" hoje divulgada.

"Apesar das plataformas digitais e de toda a espécie de crises, os meios de comunicação noticiosos não perderam a sua importância para os cidadãos e a procura de notícias continua alta. Os principais média continuam a servir bem as democracias contemporâneas", indicou, em comunicado, o MDM.

De acordo com o estudo, os meios de comunicação lidaram "razoavelmente" com o digital e encontraram forma de manter um "bom nível" de desempenho, apesar dos desafios económicos, políticos e tecnológicos.

Entre os três indicadores do projeto com maior pontuação está o que se refere à auto-perceção dos jornalistas como vigilantes dos poderes ('watchdog').

Por outro lado, os jornalistas "identificam-se muito" com a sua missão de repórteres de investigação, função destacada na maioria dos estatutos editoriais, embora existam algumas limitações em termos de recursos.

Nenhum dos 18 países envolvidos no projeto reconheceu a existência de uma "efetiva paridade de género" e dois países afirmaram que esta, bem como as regras básicas da não discriminação, "não são minimamente respeitadas".

Além disso, "a igualdade de género no interior das redações ainda é um problema em grande parte dos casos", concluiu o estudo, sublinhando que, em média, foram atingidos 59% de todos os pontos possíveis neste indicador.

A Suécia é o único país participante que pode ser considerado, neste âmbito, "um modelo a seguir pelos demais", o que significa "um claro e inequívoco apelo" para que os média revejam as suas práticas internas.

O projeto revelou ainda que o "alto nível" de concentração da propriedade dos média poderá desafiar "de modo crítico" a diversidade informativa.

Neste sentido, nenhum país indicou ter níveis de concentração muito baixos e, em quase todos, "a concorrência parece ser fraca, com um reduzido número de grupos controlando todo o mercado mediático".

O processo de digitalização, ao contrário do que as empresas perspetivaram, não contribuiu para equilibrar os níveis de concentração da propriedade tanto ao nível regional, como local.

O projeto "Media for Democracy Monitor 2021" foi desenvolvido por especialistas em comunicação de 18 países e coordenado pela Universidade de Salzburgo.

Para a realização desta análise, os investigadores aplicaram um conjunto de três dezenas de indicadores comuns a cada país.

Adicionalmente, foram realizadas entrevistas a jornalistas e a diretores de órgãos de comunicação social, "de modo a constituírem uma amostra representativa dos meios mais relevantes de cada país".

Quatro escalões

Num seminário, os investigadores discutiram os indicadores e atribuíram pontos a cada um, dando origem a quatro 'clusters' de escalões.

No primeiro escalão (80% do máximo de pontos possível) encontram-se a Dinamarca, Suécia e Reino Unido.

No segundo escalão (70%) estão a Alemanha, Canadá, Finlândia e Países Baixos.

O terceiro escalão (60%), por seu turno, integra a Áustria, Bélgica, Coreia do Sul, Islândia, Itália, Portugal e Suíça, enquanto no quarto (50%).

No quarto escalão encontram-se a Austrália, Chile, Hong-Kong e Grécia.