Mundo

Barcos de pesca italianos alvejados na Líbia

Arquivo

Ahmed Jadallah

Vários barcos de pesca italianos que navegam ao largo da costa líbia estiveram sob fogo da guarda costeira líbia, segundo fontes citadas pela imprensa transalpina.

Vários barcos de pesca italianos que navegam ao largo da costa líbia estiveram sob fogo da guarda costeira líbia, tendo ficado ligeiramente ferido um capitão de um deles, anunciaram esta quinta-feira fontes citadas pela imprensa transalpina.

Segundo informações de Salvatore Quinci, presidente de Mazara del Vallo, um porto pesqueiro a oeste da Sicília, a guarda costeira da Líbia teria alvejado "à altura das pessoas" um barco que estava ao largo da cidade de Misrata, a 30 milhas náuticas de distância (cerca de 55 quilómetros), reportou a agência noticiosa italiana Agi.

Uma unidade da Marinha italiana veio em socorro do capitão, que ficou ferido no braço, disse Quinci, que lembrou ser este o segundo incidente com disparos contra pescadores no espaço de uma semana.

Um familiar também confirmou à agência de notícias Ansa que o capitão estava apenas levemente ferido.

Desde o início do século XX que os pescadores de Mazara del Vallo operam na apanha de camarão perto da costa da Líbia, em particular à procura do camarão "gambero rosso", apreciado sobretudo por "chefes" de restaurantes 'gourmet' e cujo preço pode chegar aos 60 euros o quilo nas peixarias. Essa prática tem sido pontuada por muitos incidentes graves.

Pelo menos 18 pescadores da Sicília (oito italianos, seis tunisianos, dois indonésios e dois senegaleses) foram capturados no dia 1 de setembro de 2020 sob a acusação de pescar nas águas territoriais da Líbia. Acabaram por ser libertados pela Líbia em dezembro.

A tensão sobre os direitos de pesca aumentou a partir de 2005, quando o então líder líbio, Muammar Kadhafi, proclamou que a zona de pesca protegida se estendia por 74 milhas náuticas (quase 140 quilómetros) da costa, desafiando os padrões internacionais.

A guerra civil na Líbia exacerbou ainda mais as hostilidades, com Itália agora aconselhar os seus pescadores a evitarem a área disputada.