Mundo

França vai manter uma presença militar "significativa" no Sahel

POOL New

Florence Parly, ministra da Defesa francesa, assegurou que "o compromisso militar da França continuará a ser muito significativo para lutar contra o terrorismo".

A ministra da Defesa de França disse esta sexta-feira que o país vai manter uma presença militar "significativa" no Sahel, um dia depois do Presidente Emmanuel Macron ter anunciado o fim da operação Barkhane na região.

Numa entrevista à emissora France Info, Florence Parly assegurou que "o compromisso militar da França continuará a ser muito significativo para lutar contra o terrorismo", reforçando que será necessário continuar a trabalhar para que "as forças armadas do Sahel estejam progressivamente em condições de responder" a essa ameaça, segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

Macron anunciou na quinta-feira uma redução da presença militar francesa no Sahel, indicando que a operação Barkhane, existente desde 2014 e que conta atualmente com 5.100 militares, será substituída por uma operação de apoio aos exércitos da região que queiram cooperar.

O Presidente francês considerou que o objetivo da França não é substituir "eternamente" as forças dos países em causa.

Assim, Paris vai encerrar bases e configurar a luta anti-'jihadista' à volta de uma "aliança internacional" integrando europeus e que contará também com o apoio dos norte-americanos.

Num comunicado, Parly precisou que o dispositivo militar francês será orientado para a assistência e cooperação operacional, o que será discutido nos próximos dias com os membros da Coligação Internacional para o Sahel, lançada em 2020 com o objetivo de apoiar o G5 Sahel (Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger).

No "final do mês de junho", Macron deverá precisar as modalidades e o calendário da nova missão, adiantou a ministra das Forças Armadas francesa.