Mundo

Membro da família real saudita investigado em França por tráfico humano

Mulheres seriam responsáveis principalmente por cuidar dos filhos do casal.

Um membro da família real da Arábia Saudita está a ser investigado por tráfico humano, desde 2019, pelo Ministério Público de Nanterre, na região metropolitana de Paris, França.

Sete funcionárias do príncipe saudita nascidas entre 1970 e 1983, a maioria de origem filipina, apresentaram uma queixa em outubro de 2019 por escravatura moderna, confirmou a acusação, acrescentando que foi ainda adicionada uma queixa mais antiga ao processo.

Os factos remontam aos anos de 2008, 2013 e 2015 e terão ocorrido num apartamento na comuna francesa de Neuilly-sur-Seine, nos subúrbios de Paris.

Uma fonte próxima da investigação, citada pela AFP, referiu que as queixosas foram ouvidas "há poucas semanas".

De acordo com a mesma fonte, o príncipe, entretanto, ainda não foi ouvido pelas autoridades, uma vez que se encontra fora do território francês.

As mulheres, recrutadas na Arábia Saudita, terão aproveitado para fugir durante uma viagem a França, acrescentou a fonte.

Segundo o jornal francês 'Le Parisien', as mulheres eram responsáveis principalmente por cuidar dos quatro filhos do casal e estavam "à sua disposição dia e noite toda a semana", com exemplos de algumas a dormir "no chão".

A investigação está a cargo do departamento policial de Neuilly-sur-Seine e do departamento de Combate ao Crime Organizado ligado à imigração ilegal.