Mundo

Avião russo com 29 pessoas a bordo despenhou-se no mar no extremo oriente da Rússia

Antonov AN-26 russo fotografado a partir de um Typhoon da Royal Air Force (RAF) sobre o Báltico

EPA/RAF / BRITISH MINISTRY OF DEFENCE

Decorrem buscas no Mar de Okhotsk.

Um avião russo Antonov A-26 com 29 pessoas a bordo que desapareu dos radares na península de Kamchatka, no extremo oriente da Rússia, despenhou-se no mar, avança a agência de notícias RIA Novosti.

A agência de notícias TASS tinha anteriormente noticiado, citando o porta-voz da agência regional do Ministério de Emergências da Rússia, que o avião perdeu contacto com o controlo de tráfego aéreo quando tentava pousar,

Terá caído no Mar de Okhotsk quando executava a manobra de aproximação ao aeródromo de Palana.

A bordo seguiam 22 passageiros, entre eles uma criança, e seis tripulantes que viajavam de Petropavlovsk-Kamchatsky em direção a Palana.

As autoridades regionais estão a organizar equipas de busca para localizar o avião, que estava em funcionamento desde 1982 e cuja licença deveria expirar a 30 de agosto.

Dois helicópteros foram mobilizados para as buscas.

A manutenção técnica deficiente e a falta de regulamentos de segurança já provocaram vários acidentes no setor da aviação russo.

O último acidente grave registou-se em maio de 2019, quando um avião Sukhoi Superjet, pertencente à companhia aérea nacional Aeroflot, foi forçado a aterrar, explodindo na pista de um aeroporto de Moscovo e matando 41 pessoas.

Em fevereiro de 2018, um aparelho AN-148, da Saratov Airlines, despenhou-se pouco depois da descolagem, perto de Moscovo, matando as 71 pessoas a bordo.

Uma investigação determinou que um erro humano esteve na origem do acidente.

O transporte aéreo na Rússia também está sujeito a condições de voo frequentemente difíceis, em áreas remotas do Ártico e do extremo oriente.