Mundo

“É um crime de ódio destinado a espalhar o medo”

Ana Aresta, presidente da Ilga Portugal, considera que a morte de um jovem homossexual em Espanha “é um crime gravíssimo que pode ter grandes impactos no alastrar do ódio”.

“Não podemos baixar a guarda no que toca a direitos humanos”, por isso defende que as manifestações são fundamentais.

A morte do jovem de 24 anos motivou uma onda de protestos contra a homofobia. Em Madrid, milhares de pessoas concentraram-se na Praça do Sol para apelar ao fim do ódio, intolerância e discriminação.

Samuel Muñiz foi agredido até à morte por um grupo de homens, à entrada de uma festa, na cidade da Corunha, na região da Galiza.

O jovem estava a fazer uma ligação em vídeo, quando um grupo de homens o abordou e o agrediu violentamente. Segundo a polícia, pelo menos sete pessoas começara a espancar e pontapear Samuel Muñiz, que não se conseguiu defender.

Uma amiga da vítima partilhou na rede social Twitter que Samuel Muñiz tinha sido assassinado “por causa da sua orientação sexual”.

Ana Aresta lembra, em entrevista à SIC Notícias, que “os movimentos de ódio estão a aproveitar as lógicas de crise para espalhar o medo e os movimentos políticos altamente extremados capitalizam este ódio para angariar votos”.

VEJA MAIS: