Mundo

Jovenel Moïse, um Presidente contestado e que governava por decreto

Presidente do Haiti foi morto em casa por homens armados num ataque ainda não reivindicado. Por todo o mundo foi unânime a condenação deste assassínio.

Jovenel Moïse foi morto a tiro às primeiras horas da manhã desta quarta-feira pelo comando armado que atacou a residência do presidente do Hatiti, nos arredores da capital Port-au-Prince.

Conhecido como o homem-banana, por ter feito fortuna na exportação deste fruto, Jovenel Moïse, de 53 anos, era um Presidente cada vez mais contestado por se manter apegado ao poder. Nomeou sete primeiros ministros em quatro anos, governava por decreto, recusava novas eleições e tentava mudar a Constituição haitiana para prolongar o mandato.

Mas a morte de Moïse agrava ainda mais a instabilidade no país mais pobre e violento do continente americano, com uma longa história de ditaduras e golpes de Estado. Por todo o mundo foi unânime a condenação deste assassínio ainda não reivindicado.

Veja também: