Mundo

Ex-Presidente da Geórgia afirma estar no país apesar das ameaças de prisão

Efrem Lukatsky

Saakachvili foi presidente da Geórgia entre 2004 e 2013.

O ex-presidente da Geórgia, no exílio, Mikhail Saakachvili afirma ter regressado ao país apesar das ameaças de detenção anunciadas por parte das autoridades de Tbilisi.

"Arrisquei a minha vida e minha libertada ao entrar" (na Geórgia) declara Saakachvili numa mensagem gravada em vídeo e difundida hoje através da plataforma digital Facebook.

O ex-chefe de Estado afirma que se encontra na cidade costeira de Batoumi, na Georgia, frente ao Mar Negro.

Saakachvili foi presidente da Geórgia entre 2004 e 2013 tendo anunciado o regresso ao país (ex-república soviética) coincidindo com as eleições locais que se vão realizar no sábado e que são consideradas como um teste ao partido no poder.

"Eu apelo a toda a gente para votar no Movimento da União Nacional (MNU)", o principal partido da oposição, diz ainda o ex-chefe de Estado referindo-se ao partido político que ele próprio fundou.

Na imagem vídeo, Saakachvilli mostra-se sorridente, com um chapéu e as luzes de uma cidade ao fundo.

Por outro lado, o ministro do Interior da Geórgia disse hoje à cadeira de televisão Formula TV que "Saakachvili não cruzou a fronteira".

O ex-presidente, no exílio desde 2013, publicou e difundiu na passada segunda-feira através das redes sociais uma fotografia de um bilhete de avião com destino a Tbilissi e marcada para sábado, dia em que se realizam as eleições autárquicas no país.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro Irakli Garibachvili afirmou que se o ex-chefe de Estado "puser um pé em solo georgiano será imediatamente detido e preso".

Saakachvili, 53 anos, que reside na Ucrânia, é acusado pela justiça da Geórgia "de abuso de poder" num caso que o ex-chefe de Estado considera "político".

A Geórgia encontra-se mergulhada numa crise política desde o ano passado depois dos partidos da oposição terem denunciado "fraudes e irregularidades" nas eleições legislativas.

Em maio, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, negociou um acordo para resolver a crise política mas no passado mês de julho o partido no poder abandonou as negociações com críticas contra a União Europeia e os Estados Unidos.

Para os apoiantes de Mikhail Saakachvili o ex-presidente é o "herói" da revolução de 2003 que afastou as forças que dominavam o país após a queda da União Soviética.

Por outro lado, é apontado como o político que provocou a guerra contra a Rússia em 2008 e é acusado pelos críticos como "autoritário".

  • Ex-Presidente da Geórgia deportado para a Polónia

    Mundo

    O ex-Presidente da Geórgia Mikheil Saakashvili, acusado de planear um golpe de Estado na Ucrânia e que perdeu a nacionalidade ucraniana no verão passado, foi detido e deportado para a Polónia, divulgaram hoje as autoridades ucranianas.