Mundo

ExpoDubai: Cinco trabalhadores morreram na construção da feira

Jon Gambrell

Cerca de 200 mil trabalhadores participaram na construção da feira durante mais de 240 milhões de horas.

A Expo 2020 no Dubai admitiu este sábado que cinco trabalhadores morreram durante a construção da grande feira mundial, revelando pela primeira vez estatísticas gerais sobre mortes naquele empreendimento, noticia a agência AP.

A Expo 2020 já havia anunciado que 200 mil trabalhadores participaram na construção da feira e que trabalharam cerca de 240 milhões de horas, mas não havia divulgado qualquer estatística sobre mortes de trabalhadores, lesões ou infeções pelo novo coronavírus, apesar dos repetidos pedidos da AP e de outros meios de informação.

A divulgação do número de mortes de trabalhadores ocorre após o Parlamento Europeu ter apelado em setembro aos diversos países para que não participassem da Expo no Dubai, apontando as "práticas desumanas contra os trabalhadores estrangeiros" por parte dos Emirados Árabes Unidos, notando que tais condições pioraram durante a pandemia.

Empresas e construtoras "coagiram os trabalhadores a assinar documentos não traduzidos"

Segundo uma resolução do Parlamento Europeu, antes da Expo, as empresas e construtoras "coagiram os trabalhadores a assinar documentos não traduzidos, confiscando os seus passaportes e expondo-os a horários extremos de trabalho, em condições climáticas inseguras e fornecendo-lhes moradias insalubres".

Em conferência de imprensa, um dia após a abertura da feira mundial, o porta-voz da Expo, Sconaid McGeachin, adiantou que os dados sobre a morte de trabalhadores já estavam disponíveis, mas não forneceu mais pormenores.

O mesmo responsável limitou-se a assegurar que as autoridades locais dariam mais informações sobre as vítimas em momento considerado oportuno.

McGeachin reconheceu que as autoridades locais tinham conhecimento de situações envolvendo empreiteiros que exigiram a retenção dos passaportes" de trabalhadores e que utilizaram "práticas de recrutamento" violadoras da segurança no local de trabalho.

"Tomamos medidas para garantir que esses problemas foram resolvidos e intervimos bastante nos casos a respeito", disse, sem dar mais detalhes.

Emirados Árabes Unidos enfrentam críticas por tratar mal estes trabalhadores

Os Emirados Árabes Unidos enfrentam críticas de longa data de grupos de direitos humanos por tratar mal estes trabalhadores. Mas as autoridades têm lutado para apresentar uma imagem positiva para a Expo..

Os trabalhadores nos Emirados Árabes Unidos estão proibidos de se sindicalizar e têm poucas proteções sociais e laborais, muitas vezes trabalhando horas a fio, por um reduzido salário e vivendo em condições precárias.

A Expo 2020 Dubai, a primeira exposição mundial na região do Médio Oriente, abriu as portas ao público no dia 1 de outubro, estando Portugal representado. Termina em 31 de março de 2022 e é o primeiro grande mega evento desde o início da pandemia onde são esperados 25 milhões de visitantes. Reúne mais de 200 participantes, incluindo 192 países, como também organizações multilaterais, empresas e estabelecimentos de ensino durante 182 dias.