Mundo

Carles Puigdemont prometeu apresentar-se hoje em tribunal na Sardenha

Puigdemont à chegada ao aeroporto de Alghero, na Sardenha, a 3 de outubro de 2021.

CLAUDIA SANCIUS

Juiz deverá decidir sobre a eventual extradição do líder independentista catalão para Espanha.

O líder independentista catalão Carles Puigdemont comprometeu-se a apresentar-se hoje em tribunal em Sassari, na Sardenha, para o juiz decidir sobre a sua eventual extradição para Espanha, pedida pela justiça espanhola.

Através da Eurojust (agência da União Europeia que trata de questões judiciais), o Supremo Tribunal espanhol pediu à justiça italiana que permita a "entrega imediata" do separatista catalão, argumentando que Puigdemont não beneficia neste momento de imunidade parlamentar como membro do Parlamento Europeu e que continua em vigor o mandado de captura europeu contra o ex-presidente catalão.

A viver na Bélgica desde 2017 para escapar às acusações da justiça espanhola, Carles Puigdemont, de 58 anos, foi detido a 23 de setembro, ao chegar ao aeroporto de Alghero, na ilha mediterrânica da Sardenha, onde iria participar no festival cultural catalão Adifolk.

Foi libertado no dia seguinte e autorizado a sair do território italiano após ter assegurado que regressaria à Sardenha para comparecer hoje na audiência de extradição.

Numa conferência de imprensa realizada a 25 de setembro, Carles Puigdemont afirmou que tinha de regressar à capital belga, Bruxelas, para participar numa reunião da comissão de comércio externo, da qual diz ser membro, mas que regressaria a Itália a tempo de se apresentar em tribunal.

O Supremo Tribunal espanhol, que emitiu um mandado de captura internacional, acusa Puidgemont dos crimes de rebelião e desvio de fundos, entre outros, pelo papel desempenhado na organização do referendo de autodeterminação da Catalunha, realizado a 01 de outubro de 2017 e considerado ilegal.

Em fuga desde então, devido ao seu protagonismo na tentativa falhada de independência da região espanhola da Catalunha, Carles Puigdemont continua a ser procurado pelo sistema judicial espanhol, que o acusa de "sedição" e "apropriação indevida de fundos públicos".

O líder independentista já tinha sido detido na Alemanha em março de 2018, a pedido de Espanha, mas foi libertado alguns dias depois já que os tribunais alemães retiraram a acusação de "rebelião", que desde então foi reclassificada como "sedição".

Membro do Parlamento Europeu desde 2019 pelo partido independentista Juntos pela Catalunha (JxCat), o político usufruiu, durante algum tempo, de imunidade parlamentar, mas o hemiciclo europeu levantou-a em março último, por uma grande maioria, medida que foi confirmada a 30 de julho pelo Tribunal de Justiça da União Europeia.