Mundo

“Ele gosta de matar pessoas”: enfermeiro norte-americano injetava ar nos pacientes

via AP

Homem pode ser condenado à pena de morte pelo homicídio de quatro pessoas.

Um enfermeiro norte-americano foi considerado culpado de ter provocado a morte de quatro pacientes que estavam ao seu cuidado, depois de lhes ter injetado ar nas artérias, provocando-lhes uma embolia gasosa arterial no cérebro, semelhante a um AVC.

William George Davis, o enfermeiro de 37 anos do Texas, enfrenta agora a possibilidade de ser sentenciado à pena de morte. Durante o julgamento, que durou duas semanas e terminou esta terça-feira, o Ministério Público norte-americano caracterizou o enfermeiro como um assassino em série que obtinha prazer com as suas ações.

Quatro pacientes morreram na sequência de lhes ter sido injetado ar nas artérias, tendo ficado provado que o enfermeiro fez o mesmo a outras três pessoas que estavam internadas, resultando em danos permanentes e debilitantes para a sua saúde.

“É simples. Ele gosta de matar pessoas. Ele obtinha prazer em entrar nos quartos e injetar-lhes ar”, afirmou um dos procuradores durante o julgamento, citado pelo The Washington Post.

As suspeitas em relação a William George Davis começaram depois de, sem razão aparente, várias pessoas internadas nos cuidados intensivos de cardiologia do hospital onde o enfermeiro trabalhava terem começado a apresentar problemas neurológicos semelhantes.

As imagens de videovigilância mostravam William George Davis, o único enfermeiro que estava a trabalhar quando ocorriam estas emergências, a entrar nos quartos pouco tempo antes da condição dos pacientes piorar.

O enfermeiro foi despedido em fevereiro de 2018, depois do início da investigação, tendo a sua licença sido suspensa alguns meses mais tarde. Enfrenta agora a possibilidade de ser sentenciado à pena de morte.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias