Mundo

Cinco coisas a saber sobre o telescópio espacial James Webb

Cinco coisas a saber sobre o telescópio espacial James Webb
NASA

O telescópio espacial mais avançado de sempre vai recolher informações sobre as primeiras galáxias e estrelas do universo.

O telescópio espacial mais potente alguma vez construído partiu este sábado dia de Natal, ao fim de mais de 30 anos de espera. Esta joia da engenharia vai explorar o Universo até quase às suas origens, até há cerca de 13 mil milhões de anos.

Projeto conjunto da NASA / ESA / CSA (agência espacial do Canadá), o telescópio espacial James Webb será o próximo grande observatório de ciências espaciais para resolver os mistérios do Sistema Solar, explorar mundos distantes ao redor de outras estrelas e descobrir as origens do Universo.

O seu lançamento estava previsto para março de 2021, mas a pandemia obrigou ao adiamento. Foi finalmente lançado hoje, às 12:20 (hora de Lisboa).a bordo de um de um foguetão de fabrico europeu Ariane 5 a partir da base europeia de Kourou, na Guiana Francesa.

► Assista aqui em direto com as explicações do astrofísico Pedro Machado, professor do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

► Assistir ao lançamento através do site da NASA:

Como é o telescópio?

A peça central é um enorme espelho que mede 6,6 metros de diâmetro e é constituído por 18 espelhos hexagonais, feitos de berílio e revestidos a ouro para melhor refletir a luz capturada dos confins do Universo.

O observatório tem quatro instrumentos científicos: para tirar fotos do cosmos e espectrómetros, que decompõem a luz para estudar as propriedades químicas e físicas dos objetos observados.

O espelho e os instrumentos são protegidos por um enorme "chapéu de sol", composto por cinco camadas sobrepostas. Do tamanho de um campo de ténis, são finos como um cabelo e feitos de Kapton, um material escolhido por sua resistência a temperaturas extremas: um dos lados estará acima de 110 ° C enquantro no outro estão -235 ° C.

A bordo segue ainda um módulo de serviço com o sistema de propulsão e comunicação. No total, o observatório pesa o equivalente a um autocarro.

Para onde vai?

O telescópio será colocado em órbita a 1,5 milhão de quilómetros da Terra, quatro vezes a distância do nosso planeta à Lua.

Ao contrário do telescópio Hubble, que gira em torno da Terra, James Webb estará na órbita do Sol. Estará em constante alinhamento com o Sol e a Terra e o seu espelho estará constantemente de costas para a nossa estrela.

Demorará cerca de um mês para chegar a esta posição, chamada ponto de Lagrange L2. A esta distância, não será possível nenhuma missão de reparação, tal como aconteceu com o Hubble.

► A partir do momento do lançamento é possível saber onde está no site da NASA

Como será colocado em posição?

Como o telescópio era grande demais para caber num foguetão, foi dobrado sobre si mesmo. E é esta a parte mais complicada da missão: o desdobramento do telescópio no espaço.

Cerca de 30 minutos após a descolagem, os painéis solares e a antena de comunicações serão desdobrados.

Seis dias depois, já muito depois de ter passado a Lua, será iniciada a instalação do "chapéu de sol", até então dobrado como um acordeão. Os "braços" extremamente finos serão guiados por um complexo mecanismo que envolve 400 polias e 400 metros de cabo.

Durante a segunda semana, será a vez da instalação do espelho. Quando alcançada a configuração final, os instrumentos vão precisar de ser arrefecidos e calibrados e os espelhos ajustados com extrema precisão.

Ao fim de seis meses de preparativos, o telescópio espacial James Webb estará pronto para olhar para os confins do Universo.

Qual é a sua missão?

O telescópio espacial James Webb tem duas missões científicas importantes, que vão representar mais de 50% do tempo de observação.

Primeiro, explorar as primeiras idades do Universo, voltando apenas algumas centenas de milhões de anos após o Big Bang. Os cientistas querem observar as primeiras galáxias e as primeiras estrelas.

A sua segunda grande missão será estudar exoplanetas, ou seja, planetas em órbita de outras estrelas como o nosso Sol, à procura de um ambiente potencialmente habitável.

A grande novidade deste telescópio é que tem capacidade para regista luz infravermelha, conseguido ver através de nuvens de poeira impenetráveis ​​para o Hubble, que tem uma pequena capacidade infravermelha, regista principalmente luz visível e ultravioleta.

Também estão planeadas observações mais próximas, no nosso sistema solar, como de Marte ou de Europa, uma lua de Júpiter.

Projeto com mais de 30 anos

O projeto foi lançado na década de 1990 e a construção iniciou-se em 2004. A descolagem foi muitas vezes adiada: primeiro estava prevista para 2007, depois para 2018, 2020 e agora dezembro de 2021

O observatório é o resultado de uma imensa colaboração internacional e integra instrumentos canadianos e europeus. Mais de 10.000 pessoas trabalharam no projeto, cujo orçamento explodiu, a um custo que finalmente se aproximou de cerca de 10 mil milhões de dólares.

Está previsto que trabalhe durante 5 anos mas tem potencial para chegar aos 10 anos no espaço.

O foguetão Ariane 5 levará o Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA (Canadá). no porto espacial europeu na Guiana Francesa.
P BAUDON / ESA/CNES/Arianespace
Últimas Notícias
Mais Vistos