Mundo

Presidente do Peru aprova programa para expulsar estrangeiros que cometam crimes

Presidente do Peru aprova programa para expulsar estrangeiros que cometam crimes
CRIS BOURONCLE
O chefe de Estado afirma que pretender travar "uma luta frontal contra o crime".

O Presidente peruano ordenou ao Ministério da Administração Interna que inicie um programa para expulsar "todos os estrangeiros" que cometam crimes no país. Pedro Castillo é alvo de seis investigações por alegada corrupção.

"Ordenei que o programa 'Retorne ao seu país' seja iniciado através do Ministério da Administração Interna do Peru para que todos os estrangeiros que cometam crimes no Peru sejam expulsos", disse o presidente peruano.

"Agradeço a disponibilidade da Embaixada da Venezuela e das demais embaixadas com as quais nos temos coordenado", acrescentou na sexta-feira Castillo, na rede social Twitter.

O chefe de Estado disse pretender travar "uma luta frontal contra o crime", acrescentando que "não se pode permitir que as famílias peruanas, que merecem uma vida tranquila, em paz e liberdade, continuem a ser afetadas".

O anúncio ocorre vários dias depois do primeiro-ministro peruano, Aníbal Torres, ter divulgado a intenção de apresentar um projeto de lei para alargar os crimes que implicariam a expulsão de cidadãos estrangeiros do território peruano.

A proposta incluiria crimes como o desrespeito pelas restrições impostas para conter a pandemia de covid-19 -- incluindo a vacinação obrigatória --, a falta de documentos de identificação, a condução sem carta, o porte de armas de fogo ou explosivos sem autorização ou a posse de drogas e estupefacientes.

Pedro Castillo acabou por voltar a publicar nas redes sociais devido à polémica causada pela decisão: "Expresso o meu absoluto respeito pelo trabalho da polícia do Peru e de todos os trabalhadores do país. Lamento que se tenha mal-interpretado uma ação voluntária de segurança." Afirma ainda que nunca pediu ou forçou a "polícia a fazer isso", referindo que tem "usado um colete à prova de bala" para se proteger. Sublinha ainda que "não existe maltrato, nem discriminação".

O Ministério Público do Peru abriu na quinta-feira uma sexta investigação preliminar contra Castillo, desta vez por alegados atos de corrupção na adjudicação de obras na sua região natal de Cajamarca.

No âmbito desta investigação, foi detida Yenifer Paredes, a irmã mais nova da primeira-dama que foi criada como filha pelo casal presidencial, por suspeita de tráfico de influências envolvendo um projeto de saneamento no distrito de Chota, em Cajamarca.

Na terça-feira, Castillo disse numa mensagem à nação que era vítima de uma "conspiração entre o Congresso, a Procuradoria-Geral da República e um setor da imprensa para desestabilizar a ordem democrática" e "tomar o poder ilegalmente".

Últimas Notícias
Mais Vistos