Mundo

Navio da Primeira Guerra Mundial encontrado na Cornualha após 105 anos

Navio da Primeira Guerra Mundial encontrado na Cornualha após 105 anos
Facebook/Steve Mortimer
O navio norte-americano dirigia-se para a costa irlandesa quando foi atacado.

O navio de guerra USS Jacob Jones dos EUA afundou durante a Primeira Guerra Mundial com 66 homens a bordo e apenas recentemente foi descoberto na costa da Cornualha, na Inglaterra. Uma equipa de mergulhadores britânicos divulgaram as fascinantes imagens do navio com algumas peças ainda intactas.

O destróier (ou contratorpedeiro) estava armado com quatro canhões e tinha pouco mais de 96 metros de comprimento. Em 1917 desempenhava a missão de patrulhar ao largo da costa de Virgínia também estava destinado a escoltar comboios no mar da Irlanda, resgatando ocasionalmente sobreviventes de navios afundados.

No início de dezembro, o USS Jacob Jones estava a escoltar um comboio para Brest, na França, com outros cinco destróiers baseados em Queenstown. No retorno para a Irlanda, Jacob Jones estava a navegar sozinho, num padrão de ziguezague quando foi visto por um submarino alemão U-53. O navio norte-americano foi torpedeado e não conseguiu enviar um sinal de socorro, visto que o ataque cortou a energia a bordo.

A bordo estariam sete oficiais e 103 tripulantes no momento do ataque. Oito minuto depois, o navio afundou e 66 militares acabaram por morrer. Alguns sobreviventes foram encaminhados para os botes salva-vidas e barcos pelo tenente Staton F. Kalk, que acabou por morrer de exaustão e exposição.

Quando o navio afundou, o capitão do submarino alemão transmitiu por rádio à base dos EUA, em Queenstown, a localização aproximada do navio.

"Normalmente, as posições do naufrágio são realmente duvidosas", entende Mark Dixon, líder do grupo de mergulho. Os sobreviventes estão preocupados em embarcar em bote salva-vidas e não registam as posições exatas, disse Dixon ao The New York Times.

O navio de guerra USS Jacob Jones foi encontrada a mais de 100 metros debaixo de água a 11 de agosto, com algumas peças ainda intactas. Os tubos de torpedo, o sino e as caldeiras são claramente visíveis nas imagens.

O mergulhador de Plymouth, Dom Robinson, que faz parte da equipa Darkstar, disse à BBC que esta descoberta é "o sonho de qualquer mergulhador".

Os membros da equipa de mergulho consultaram Michael Lowrey, um historiador naval e professor adjunto de economia traduziu os relatórios escritos pelo capitão do submarino alemão, Hans Rose. A posição do USS Jacob Jones e a descrição do acontecimento estão incluídos nesses documentos. Os pesquisadores ainda examinaram arquivos britânico e norte-americanos e analisaram pesquisas de sonar de décadas nos fundos marinhos e procuraram, inclusive, anomalias que pudessem indicar naufrágios.

"A Marinha dos EUA entrou tarde na Primeira Guerra Mundial e não perdeu muitos navios importantes. O único contratorpedeiro que perderam em combate foi Jacob Jones", disse Lowrey.

Últimas Notícias
Mais Vistos