Mundo

"É como um tsunami com outro tsunami de seguida": ONU diz que fome em África piorou muito

Loading...
Guerra na Ucrânia agravou problema.

As Nações Unidas dizem que há uma emergência alimentar muito grave em África, por causa da seca e por causa da guerra na Ucrânia, que fez disparar o preço dos cereais. A ONU fala na possibilidade de ser declarada uma crise de fome, sobretudo na região do Corno de África, que inclui a Somália, a Etiópia, a Eritreia e o Djibouti e onde vivem mais de 115 milhões de pessoas.

A declaração de fome para as Nações Unidas significa que, oficialmente, uma em cada cinco famílias não consegue comer o mínimo necessário, todos os dias. E que, num país, ou região, 30% da população sofre de má nutrição. Ou seja, grande parte das pessoas corre um risco muito sério de morrer ou ficar doente por não ter comida suficiente. É isso que está a acontecer no Corno de África, no nordeste do continente.

Sahara tem 50 anos e vive com menos de 8 euros por semana, ou seja, 1 euro e poucos cêntimos por dia, muito abaixo do limiar da pobreza.

Na Somália, Etiópia, Eritreia e Djibouti, onde vivem mais de 115 milhões de pessoas, a situação é dramática. À seca prolongada junta-se a escassez de alimentos provocada pela guerra na Ucrânia e pelo aumento global do preço dos cereais.

"É como um tsunami com outro tsunami de seguida", afirma David Beasley, diretor do Programa Alimentar Mundial da ONU.

O programa alimentar mundial continua a apelar aos doadores para que contribuam mais.

Últimas Notícias
Mais Vistos