Mundo

Eleições em Angola: MPLA lidera contagem dos votos com 52,08% 

Loading...

CNE anunciou os primeiros resultados oficiais provisórios.

A Comissão Nacional de Eleições de Angola anunciou esta quinta-feira de manhã os primeiros resultados oficiais provisórios que dão vantagem de mais de 52% ao MPLA e 42% dos votos à UNITA.

Com 86,41% dos votos contados, a CNE dá conta que o MPLA lidera a contagem dos votos com quase 10% de diferença para a UNITA:

  • MPLA: 52,08%
  • UNITA: 42,98%
  • PRS: 1,18%
  • FNLA: 1,07%
  • PHA: 1,02%
  • CASA-CE: 0,73%
  • APN: 0,48%

Loading...

Com 77,12% dos votos apurados em Luanda, a União Nacional para a Libertação Total de Angola (UNITA) lidera com 62,93% dos votos e o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) segue em segunda posição com 33,06%, anunciou o porta-voz da CNE, Lucas Quilundo.

No que diz respeito aos círculos provinciais, segundo os resultados apurados até ao momento, Luanda e Zaire são as duas únicas das 18 províncias angolanas em que o principal partido da oposição segue com vantagem.

Na província petrolífera do norte de Angola, com mais de 98% do apuramento feito, a UNITA conquista 52,25% das preferências do eleitorado face aos 36,14% do MPLA.

Já em Cabinda, também rica em "ouro negro", a disputa segue renhida. As 10:24, com menos de 22% de resultados apurados, o MPLA seguia na frente com 45,58% dos votos, com escassa diferença da UNITA (45,28%).

O Cunene surge, para já, como principal conquista do MPLA, que consegue 81,96% dos votos dos eleitores desta província do sul, contra 15,20% da UNITA.

Na segunda província mais populosa, a Huíla, com mais de 88% dos resultados apurados, é o MPLA que domina com 67,51% dos votos, enquanto a UNITA não ultrapassa 30%.

Em Benguela, terceira maior província do país, onde foram apurados mais de 94% dos resultados, o MPLA mantém-se em primeiro lugar com 53,77% dos votos e a UNITA conquista 42,90%.

No Huambo, a quarta maior em termos de população, com 97% dos votos escrutinados, o MPLA ganha com 57,31% e a UNITA não vai além dos 38,62%.

O Bié, terra natal do fundador da UNITA Joinas Savimbi, dá a vitoria ao MPLA com 60,44%, enquanto o principal partido da oposição se fica pelos 35,11%, estando escrutinados 88% dos votos.

No Bengo, com o escrutínio praticamente concluído (99,47%), vence o MPLA com 55,4% do total, enquanto a UNITA fica pelos 39,21%.

No Cuanza Norte, quase totalmente apurado, ganha igualmente o MPLA com 60,68%, enquanto a UNITA conquista 32,48% dos votos, sendo a vitoria do MPLA mais expressiva no Cuanza Sul, com 67,95% face aos 27,15% da UNITA.

Nas Lundas Sul e Norte, províncias ricas em diamantes e de maioria Tchokwe, o partido PRS consegue o terceiro lugar, com 10,68% na Lunda Sul (MPLA, com 52,02% e 34,84% para a UNITA) e 5,58% na Lunda Norte (MPLA, com 55,43% e UNITA com 34,31%).

Também no Moxico, outra província de predominância Tcokwe, o PRS surge em terceiro lugar. O MPLA surge em primeiro, com 68,42% e a UNITA em segundo, com 26,20% das preferências do eleitorado.

O Malanje, praça-forte do MPLA, volta a dar vitória ao partido que obtém 60,80% dos votos contra 33,31% da UNITA.

No Namibe, o partido no poder lidera também com 64,25% da votação, enquanto a UNITA tem 31,87% dos votos escrutinados.

No Uíje, 57,65% dos eleitores deram vantagem ao MPLA (UNITA em segundo lugar com 35,45%), enquanto no Cuando Cubango é expressiva a vitoria do partido no poder, com 68,74% dos votos (UNITA com 27,05%).

A votação mostra ainda que os terceiros e quarto lugares do parlamento (atualmente CASA-CE e PRS) poderão trazer algumas surpresas já que tudo indica que a votação na CASA-CE será inexpressiva e o parlamento poderá acolher a estreante Bela Malaquias, líder do PHA.

Últimas Notícias
Mais Vistos