Mundo

Sobe para oito o número de mortos em confrontos em Bagdade

Sobe para oito o número de mortos em confrontos em Bagdade
Anadolu Agency
Mais de 80 simpatizantes do líder religioso Moqtada al-Sadr ficaram feridos.

Oito simpatizantes de Moqtada al-Sadr morreram e outros 85 ficaram feridos, segundo um novo balanço na sequência dos tiroteios na Zona Verde de Bagdade, depois do líder xiita ter anunciado esta segunda-feira a sua retirada da cena política.

Dezenas de apoiantes de al-Sadr invadiram hoje o Palácio da República, em Bagdade, para expressar o seu descontentamento após o clérigo populista iraquiano ter anunciado a sua "retirada definitiva" da política.

Os apoiantes do líder religioso e político entraram no Palácio da República, localizado na ultra-segura Zona Verde da capital iraquiana, levando as forças de segurança a disparar.

O mais recente relatório divulgado à agência France-Presse (AFP) por fontes médicas aponta para oito mortos e 85 feridos. A situação na Zona Verde de Bagdade mantém-se caótica, apesar do decretar do recolher obrigatório, efetivo a partir de hoje.

A missão da ONU no Iraque (Unami) apelou à calma, alertando para "uma escalada extremamente perigosa" de tensões.

Em comunicado, a missão exortou os manifestantes a deixarem "imediatamente" a Zona Verde de Bagdade e a desocupar os edifícios públicos para que o governo possa continuar o seu trabalho.

A Unami salientou também que "está em jogo a sobrevivência do Estado" e que "os iraquianos não podem ficar reféns de uma situação imprevisível e insustentável", apelando à colaboração de todas as partes.

Os Estados Unidos consideraram os relatos sobre o surto de violência em Bagdade como "perturbadores" e pediram "calma" e "diálogo", segundo referiu hoje o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby.

"É altura de diálogo, não de escalada de tensões. Pedimos a todas as partes envolvidas que permaneçam calmas", sublinhou.

Desde as eleições de outubro do ano passado que o Iraque está sem governo e sem um novo Presidente, depois de o partido de Al-Sadr ter vencido, mas com apenas 73 lugares dos 329 do Parlamento.

O anúncio de Al-Sadr ocorreu apenas 48 horas depois de ter exigido a exclusão da cena política de todos os partidos que atuam no Iraque desde 2003, como condição para superar a crise que se vive desde as eleições de outubro.

O partido de Al-Sadr tentou uma aliança com outras forças parlamentares para eleger o Presidente e o primeiro-ministro, que ficariam encarregados de formar um Governo, o que acabou por não ser possível, devido ao bloqueio dos opositores xiitas, próximos do regime iraniano.

Os deputados sadristas demitiram-se em bloco, em junho, mas, perante a eleição de um Presidente e de um primeiro-ministro propostos pelos opositores, os seguidores de Al-Sadr ocuparam o Parlamento, em 30 de julho.

A ocupação durou uma semana e, após um apelo do clérigo, os sadristas retiraram-se do Parlamento e têm estado acampados em frente ao edifício, para exigir a dissolução da Câmara e novas eleições.

Últimas Notícias
Mais Vistos