Mundo

Roberta Metsola olha para Portugal "como uma espécie de coração atencioso da Europa"

18 January 2022, France, Straßburg: Roberta Metsola (Partit Nazzjonalista), EPP Group, stands in the European Parliament building and speaks after her election as President of the European Parliament. Metsola was considered the favorite for the office and was already able to win in the first round of voting. Photo: Philipp von Ditfurth/dpa (Photo by Philipp von Ditfurth/picture alliance via Getty Images)
18 January 2022, France, Straßburg: Roberta Metsola (Partit Nazzjonalista), EPP Group, stands in the European Parliament building and speaks after her election as President of the European Parliament. Metsola was considered the favorite for the office and was already able to win in the first round of voting. Photo: Philipp von Ditfurth/dpa (Photo by Philipp von Ditfurth/picture alliance via Getty Images)
Presidente do Parlamento Europeu diz que Portugal é "extremamente pró-europeu" e pode ser líder na União Europeia.

A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, realiza na quinta-feira a sua primeira visita oficial a Portugal, classificando o país como "extremamente pró-europeu", que "pode ser um líder" na União Europeia (UE) em questões como migrações e solidariedade.

"A minha principal mensagem em Portugal será a de que um país como Portugal pode ser um líder, como demonstrou ser com uma opinião pública extremamente pró-europeia", afirma Roberta Metsola em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas, um dia antes de iniciar uma visita oficial a Portugal.

Lembrando que "os portugueses foram dos primeiros a oferecer ajuda" para o acolhimento de ucranianos que fugiam da invasão russa da Ucrânia, em fevereiro passado, a líder da assembleia europeia diz olhar "para Portugal como uma espécie de coração atencioso da Europa", nomeadamente na área das migrações.

E, segundo a responsável, também isso se verificou na crise migratória de 2015, quando se julgava que, "quanto mais longe [um país] estava de um assunto, mais exonerado se sentia da responsabilidade", mas "Portugal nunca disse isso".

"Quando houve a crise migratória na Europa, Portugal, recordo-me, estava a liderar", acrescenta.

Roberta Metsola diz, assim, "identificar-se" com "a solidariedade de Portugal", mas também com a "perspetiva geográfica e económica".

"Portugal sempre disse - e lembro-me que não importava que primeiro-ministro estivesse à volta da mesa - que (...) se era para uma catástrofe natural ou outra, poderíamos contar com o país para mostrar solidariedade", destaca.

Além disso, atualmente, "as minhas interações com o primeiro-ministro e os vários representantes e diferentes membros portugueses do Parlamento Europeu têm sido também para empurrar a narrativa de que é melhor estar à volta da mesa para abordar o aumento do custo de vida, a inflação, os preços", adianta a responsável.

Depois da sua eleição em janeiro passado, a líder da assembleia europeia refere que Portugal foi dos primeiros países a convidá-la para uma visita oficial, mas já antes aponta ter tido a "melhor experiência da presidência portuguesa [do Conselho da UE], que veio num momento muito difícil", no primeiro semestre de 2021.

"Penso no certificado digital, que não teria sido possível sem a presidência portuguesa, na Conferência sobre o Futuro da Europa, que não teria sido possível sem o lançamento no qual o primeiro-ministro, [António] Costa esteve presente e, inclusive, foi dos primeiros-ministros com quem me encontrei" e ainda "no Pilar Social, que foi tão importante", elenca Roberta Metsola.

"Mas claro que, quando nos encontrámos pela primeira vez, quem nos teria dito que iríamos viver uma guerra e agora com um inverno extremamente difícil à nossa frente", realça.

Roberta Metsola foi eleita, em meados de janeiro passado, presidente do Parlamento Europeu na segunda metade da atual legislatura, até à constituição da nova assembleia após as eleições europeias de 2024.

Aos 43 anos, Roberta Metsola é a presidente mais jovem do Parlamento Europeu, após ter chegado a eurodeputada em 2013, pelo Partido Popular Europeu.

Últimas Notícias
Mais Vistos