Mundo

Líder indígena morto a tiro no Brasil

Líder indígena morto a tiro no Brasil
Aitor Diago
Victorino Sanches, de 60 anos, liderava a luta pela recuperação de terras numa área de conflito em Amambai, no Mato Grosso do Sul.

Um líder indígena guarani-kaiowá, principal grupo étnico do sul do Brasil, foi morto a tiro na terça-feira no Mato Grosso do Sul, região onde os conflitos pela terra são frequentes, informaram as autoridades.

Victorino Sanches, de 60 anos, que tinha sobrevivido a um atentado contra a sua vida há pouco mais de um mês, foi assassinado no centro da cidade de Amambai, quando estava prestes a entrar num veículo. Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), o homem liderava a luta pela recuperação de terras numa área de conflito em Amambai, onde dois outros povos indígenas foram mortos desde junho.

O líder do grupo étnico guaraní-kaiowá conseguiu chegar vivo ao hospital, mas não resistiu aos cinco tiros nas costas, de acordo com o relatório médico. O indígena tinha sido vítima de um ataque na mesma cidade a dois de agosto, depois de atacantes terem disparado mais de 15 tiros contra o carro em que viajava, ferindo-o no braço e na perna.

Embora os conflitos fundiários sejam frequentes no Mato Grosso do Sul, a situação agravou-se nos últimos anos sob o Governo do Presidente, Jair Bolsonaro, que proibiu a demarcação de territórios indígenas e negligenciou reservas já reconhecidas, dando lugar a invasões de terras. Segundo o Cimi, em 2021 foram registadas quase 1.300 invasões violentas das reservas dos povos indígenas.

Últimas Notícias
Mais Vistos