Mundo

Governo britânico vai avançar com eleições na Irlanda do Norte

Governo britânico vai avançar com eleições na Irlanda do Norte

A Assembleia autónoma da Irlanda do Norte falhou uma nova tentativa para eleger um presidente à oposição do Partido Democrata Unionista.

O ministro britânico para a Irlanda do Norte, Chris Heaton-Harris, confirmou que pretende convocar eleições regionais na província, prometendo mais pormenores na próxima semana.

"Oiço os partidos dizerem que não querem mesmo nada uma eleição. Mas quase todos eles são partidos que subscreveram a lei, o que significa que tenho de convocar uma eleição", afirmou.

A Assembleia autónoma da Irlanda do Norte falhou na quinta-feira uma nova tentativa para eleger um presidente à oposição do Partido Democrata Unionista (DUP).

A lei prevê um prazo de seis meses para que seja formada uma administração, o qual expirou. As regras determinam que as eleições se realizem dentro de um período subsequente de 12 semanas, pelo que deverão ser agendadas para dezembro.

As últimas eleições regionais de 5 de maio resultaram na vitória, pela primeira vez na história, do partido republicano Sinn Féin, antigo braço político do Exército Republicano Irlandês (IRA).

Mas o DUP, a segunda maior força política regional, recusa-se a viabilizar um Executivo até que Londres tome medidas fortes para eliminar as barreiras que, segundo o DUP, o acordo do Brexit criou entre a Irlanda do Norte e o resto do Reino Unido.

Os partidos republicanos querem a unificação política da ilha, enquanto que os unionistas, leais à coroa britânica, querem permanecer no Reino Unido.

A líder do Sinn Féin, Michelle O'Neill, o partido que ganhou o escrutínio em maio pela primeira vez na história da província, considerou a atitude do DUP de "fútil, irresponsável, obtusa e sem sentido".

Porém, o antigo primeiro-ministro norte-irlandês, Paul Givan, respondeu que o obstáculo "não é o DUP, é o Protocolo da Irlanda do Norte e quando isto for resolvido nós estaremos prontos para formar um novo Executivo".

O acordo de paz de Belfast / Sexta-feira Santa de 1998 determina que a região seja governada num modelo de partilha de poder, num Executivo composto por ministros dos maiores partidos projetado para garantir que unionistas e republicanos governem juntos.

O DUP abandonou o governo autónomo em fevereiro e desde as eleições de maio que se recusou a viabilizar um governo liderado pelo Sinn Féin.

Últimas Notícias
Mais Vistos