Mundo

Duas mães podem ser identificadas como "progenitores"? Tribunal italiano diz que sim

Duas mães podem ser identificadas como "progenitores"? Tribunal italiano diz que sim
Canva

Salvini, líder do partido de extrema-direita Liga, impôs que em todos os documentos de identificação emitidos para um menor de idade figurasse um "pai" e uma "mãe".

Um tribunal italiano deu hoje razão a duas mulheres que queriam identificar-se como "progenitores" no documento de identidade do filho, rejeitando um decreto promovido em 2019 pelo atual vice-primeiro-ministro Matteo Salvini, que obrigava a distinguir entre "pai" e "mãe".

Salvini, líder do partido de extrema-direita Liga e que então ocupava o cargo de ministro do Interior (e também o de vice-primeiro-ministro), impôs que em todos os documentos de identificação emitidos para um menor de idade figurasse um "pai" e uma "mãe", inclusive no caso de famílias formadas por casais homossexuais.

Apesar dos protestos de associações e ativistas e de a sucessora de Salvini no cargo, Luciana Lamorgese, se ter comprometido a anular o diploma, este nunca chegou a ser revogado.

Após um recurso apresentado pelo casal de mulheres, o juiz de um tribunal de Roma argumentou que "a falsa representação do papel parental de um dos dois progenitores, em evidente contraste com a sua identidade sexual e de género, tem consequências significativas" no que diz respeito aos direitos garantidos pela Constituição de Itália e pela União Europeia, noticiou a imprensa local.

"Um documento que demonstra que uma menor é filha de uma determinada mulher e foi adotada por outra e menciona uma das duas mulheres como o 'pai' contém uma representação alterada e, portanto, falsa, da realidade e configura os critérios materiais de crime de falsidade ideológica cometido por um funcionário público num documento oficial", acrescenta-se na decisão judicial.

A decisão obrigará a identificar as duas mulheres como "progenitor 1" e "progenitor 2", para o que deverá ser alterado o programa informático que emite os documentos de identificação no país.

Contudo, esta solução só beneficia o casal que apresentou o recurso, já que o decreto continua em vigor -- o que foi condenado pelo advogado Vincenzo Miri, representante da associação Rete Lenford, de defesa dos direitos da comunidade LGBT (lésbicas, 'gays', bissexuais e transgénero), em declarações ao diário italiano Corriere Della Sera.

"A sentença representa um resultado importante (...). No entanto, o Governo ainda não revogou o decreto e continua a ofender a dignidade e a identidade de muitas famílias que terão, uma a uma, de recorrer aos tribunais para ver reconhecidos os seus direitos fundamentais", sustentou.

Até agora, o atual Governo italiano não mostrou qualquer interesse em anular o diploma, porque os seus líderes, a primeira-ministra de extrema-direita, Giorgia Meloni, e o próprio Salvini, são firmes defensores da família tradicional e se opuseram nos seus discursos de campanha a qualquer legislação em favor da comunidade LGBT.

Últimas Notícias
Mais Vistos