Mundo

Prisão perpétua para médica que tentou tratar cancro com terapias alternativas

Prisão perpétua para médica que tentou tratar cancro com terapias alternativas
Canva

Médica Alba Veronica Puddu foi condenada pelos crimes de homicídio intencional e fraude. Respondeu por três situações em que os pacientes morreram.

Uma médica da ilha italiana da Sardenha que tratou doentes com cancro com recurso a terapias alternativas, incluindo ultrassons e radiofrequência, foi condenada a prisão perpétua por homicídio e fraude.

O tribunal criminal de primeira instância de Cagliari condenou Alba Veronica Puddu, de 52 anos, pelos crimes de homicídio intencional e fraude, agravados pela situação de incapacidade das suas vítimas, segundo a imprensa local.

O Ministério Público pedia uma sentença de 24 anos de prisão, mas o tribunal, presidido pela juíza Tiziana Marogna, foi mais além, considerando que as suas "terapias alternativas reduziram a esperança de vida dos doentes e nalguns casos aceleraram a morte".

A médica, natural da cidade de Tertenia, na ilha italiana da Sardenha, declarou em sua defesa, durante o julgamento, que foi decisão dos seus pacientes recorrerem àquele tipo de tratamento.

Nunca proibi ou desincentivei os meus pacientes de seguirem terapias tradicionais como radioterapia ou quimioterapia. Tudo o que fizeram foi uma escolha livre deles”.

A médica respondeu por três situações em que os pacientes morreram, depois do caso ter sido denunciado num programa de investigação da televisão italiana.

Últimas Notícias
Mais Vistos