Opinião

"Podem fazer conselhos de ministros tipo piquenique"

MANUEL DE ALMEIDA

Manuela Moura Guedes considera que António Costa "mexe e remexe" no Executivo, mas não muda a forma de governar o país. Uma operação de gestão, que não vai ao encontro das necessidade do país, mas sim ao encontro da gestão partidária do poder. A Procuradora destaca, ainda, o relatório da OCDE apresentado esta segunda-feira e o recorde de novos créditos à habitação. No comentário semanal, Manuela Moura Guedes reafirma o que disse sobre a falta de medicamentos nas farmácias e a falta de fiscalizações do Infarmed. E não esquece as famílias abandonadas de Borba.

REMODELAÇÃO NO GOVERNO

No dia em que António Costa assumiu a "continuidade" no executivo, apesar da remodelação de ministros e secretários de Estado, a Procuradora analisa o que se passou como um "mexe e remexe". Ao estilo de uma música popular, de Marco Paulo, a remodelação é analisada com o que se passou nos últimos meses e com a vida real dos portugueses: "Esta remodelação não pode ser levada muito a sério, porque o Governo faz a remodelação porque quer pôr um ministro nas europeias".

Manuela Moura Guedes analisa esta remodelação, não esquecendo que em outubro foi feita outra, que levou para o Governo João Galamba. O secretário de Estado que foi à Guarda dizer às pessoas "consumam mais" electricidade, pois "importa que o consumo local justifique este investimento".

RELATÓRIO DA OCDE

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico apresenta a mais recente radiografia de Portugal, com desafios ao Governo de António Costa. Um deles é em matéria de justiça e de combate à criminalidade económica.

O documento garante que a corrupção afeta negativamente a imagem do país e que são precisos mais esforços para a combater. Mas a versão final não inclui referência a casos concretos, como a Operação Marquês. Manuela Moura Guedes afirma que a não referência aos crimes imputados a José Sócrates deve-se a um secretário de Estado que foi a Paris fazer pressão, ao estilo de outros tempos.

"OS CRÉDITOS SÃO UM BARÓMETRO DE ILUSÕES"

Os portugueses estão cada vez mais dependente dos créditos que fazem. No caso do crédito à habitação, os dados do Banco de Portugal não deixam margem para dúvidas: os milhões de euros em novos créditos estão muito próximos dos valores de 2010.

No caso do crédito automóvel os valores do ano passado também merecem preocupação, porque os portugueses pedem oito milhões por dia à banca. Manuela Moura Guedes recorda que dar os bancos dão sempre, "mas se isto der para o torto, eles são ajudados. As pessoas não".

OS MEDICAMENTOS FALTAM, SIM!

Na semana passada, A Procuradora afirmou que o Infarmed não faz a fiscalização que deveria fazer, para que os medicamentos não faltassem nas farmácias. Esta semana, volta ao mesmo assunto para responder a um email enviado pelo Infarmed.

No Jornal da Noite, Manuela Moura Guedes revelou as informações de dois documentos: um do Infarmed e outro do Centro de Estudos e Avaliação em Saúde da Associação Nacional de Saúde. E reafirma que se as pessoas ouvem cada vez mais "não tenho", sempre que vão a uma farmácia, é porque a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde não está a fazer o que deveria fazer

AS FAMÍLIAS ABANDONADAS DE BORBA

19 de novembro de 2018. Passam, esta terça-feira, três meses. A derrocada numa pedreira, deixou várias famílias enlutadas e sem o sustento da casa. Manuela Moura Guedes não esquece as viúvas e os orfãos, que "têm vivido da generosidade dos vizinhos"