Opinião

LG Velvet. Um telefone para usar mesmo, sem perder a carteira

Finalmente um telefone normal, e sim, para os mais atentos, é verdade que ouço muita música.

Lourenço Medeiros

Andei umas semanas com o Velvet, é um telefone que não representa o topo da marca, aquilo de que normalmente falo, mas para o qual vale a pena olhar.

Um smartphone honesto que não chega na maior parte das lojas a 500 euros, muito longe portanto desta fúria em que as marcas mais vendidas se envolveram, estão todas a tentar ter o topo de gama mais caro, talvez por uma questão de prestígio. Ao que isto chegou.

O Velvet é mais barato, tem um bom processador, um design que faz boa impressão em qualquer lado, pode usar num restaurante de luxo que continua bem visto, e câmaras muito honestas, sem serem as melhores do mercado. A LG tem parecido um pouco perdida, a tentar ser inovadora a qualquer preço e põe no mercado modelos sucessivos sem grande futuro. Não me parece ser o caso do Velvet. É um ótimo smartphone, normal, no bom sentido do termo, sobretudo para o preço.

Efeito bouquet do modo retrato até em animais e em objetos (Lourenço Medeiros)

Efeito bouquet do modo retrato até em animais e em objetos (Lourenço Medeiros)

Algumas notas: eu não faço propriamente comparativos, mas ficaria satisfeito com as fotografias do Velvet. Até têm um suposto defeito que me agrada. É nítido pelas mensagens que a câmara deveria deixar ativar o modo retrato, que faz aquele belo desfocado do fundo a que estamos habituados, apenas quando está perante uma cara. O facto é que facilmente ligamos o modo retrato com qualquer objeto e até com focinhos de animais (é mais uma hipótese de aplicação do mesmo efeito, sem ser apenas e só numa face humana). Aliás, nos topos de gama começa a aparecer, além do modo retrato, um modo específico para criar o efeito boquet (o tal desfocado) em qualquer foto.

Normal sim, mas com efeitos para todos os gostos (Lourenço Medeiros)

Normal sim, mas com efeitos para todos os gostos (Lourenço Medeiros)

A câmara tem muitos efeitos incluídos, uns mais úteis, outros apenas divertidos, sem ser preciso ir procurar outras aplicações. Há filtros para todas as situações, até bonecada para sobrepor à nossa cara, e uma parte é interativa, do tipo que se abrimos a boca faz um determinado efeito. Diz que tem tripla câmara, na prática são duas câmaras e um sensor de profundidade, sendo que há um claro desequilíbrio entre as duas, uma com uns impressionantes 48 mpixels e a grande angular com apenas 8. A câmara frontal, já são mesmo três, se contarmos com esta, tem 16 mpixels e uma ótima abertura de 1,6 boas selfies garantidas.

Mesmo assim, gosto bastante dos resultados em fotografia, uma área em que a marca não costuma receber o devido crédito. Tem qualidade e foi pioneira em muitas soluções que se tornaram moda, como a inclusão de boas lentes grande angular.

O vídeo não é o ponto forte. Não fiquei fã da qualidade e ainda menos da estabilização que a LG gaba. Os melhores telemóveis praticamente dispensam um estabilizador à parte para filmar, não é o caso.

Precisa mesmo de uma capa, isto é um campo para dedadas

Precisa mesmo de uma capa, isto é um campo para dedadas

Não consegui ativar a legendagem automática que é suposto ter nos vídeos, espero que o problema tenha sido meu.

O gravador de som é absolutamente impressionante para um telemóvel e, se o usarmos com o telefone em modo paisagem, até grava em stereo. Quer isto dizer que me diverti bastante a gravar sons tipo ASMR (Autonomous Sensory Meridian Response) e com clara localização do som em relação ao utilizador. Estranho é que se o fizer com o ecrã do telemóvel virado para mim, a escuta posterior fica claramente em espelho. Ou seja, um som que eu faço à direita do aparelho quando ouço a gravação estará à esquerda. Isto pode ser ultrapassado voltando o ecrã para fora, mas convenhamos que é estranho estar a fazer este tipo de gravação sem ter o ecrã com todas as indicações voltado para nós.

ASMR são os sons que se tornaram moda na Net, supostamente calmantes ou estimulantes, conforme o caso, como o som de uma escova no cabelo ou a fricção de certos objetos, normalmente captados com microfones muito capazes e muito próximos da fonte. A LG diz que para a gravação, à semelhança do que acontece com as fotografias, foram analisados 17 milhões de sons para que o telemóvel adapte a gravação à fonte que estamos a usar.

A reprodução de som é nitidamente stereo, até tem efeitos para aumentar a consciência espacial do ouvinte. Mas não seria com os altifalantes do próprio telemóvel que eu ouviria as minhas músicas favoritas - além de incomodar o próximo, o som não se compara com auscultadores medianos. Para os saudosistas, estes auscultadores medianos podem mesmo usar a ficha de 3,5 porque este LG deve ser um dos últimos aparelhos que ainda a mantêm.

O Velvet não tem problemas com exposições longas

O Velvet não tem problemas com exposições longas

Podemos usar uma caneta, mas a LG não tinha uma disponível para eu testar. Não me parece que seja fácil de comprar por cá. É pena, quando se gabam estas qualidades no site do aparelho. Mas experimentei com o dedo e tive uma bela surpresa. Só testei com ferramentas relativamente básicas do bloco de notas, mas diverti-me imenso com o som diferenciado que colocaram em cada tipo de caneta. Claro que não é a mesma coisa que escrever em papel, mas este detalhe acrescenta-lhe qualquer coisa de muito agradável. Simples e eficaz. Não é o único telefone a ter este efeito, mas funciona muito bem.

Além da certificação habitual IP68, que garante resistência à água e ao pó, a LG acrescenta uma outra que promete que o telemóvel não sofrerá demais com altas temperaturas, baixas temperaturas e até com variações de temperatura muito rápidas.

Vem apenas na cor que chamam Aurora Silver, não é uma cor é uma daquelas superfícies com aspeto metálico e que ganham arco-íris a torto e a direito. Está na moda, está no seu direito de gostar e o efeito está bem feito. Eu não gosto, mas se comprasse um destes aparelhos usaria uma capa mais ou menos personalizada, por isso não me incomodaria, até porque teria de estar sempre a limpar as dedadas se não fosse assim.

O ecrã é daqueles que vertem para os lados, sinceramente é uma ideia que acredito que será rapidamente ultrapassada. Cada vez mais fabricantes estão a deixar este tipo de ecrã. É interessante quando vemos mas, na prática não é prático: a imagem nos cantos dobra e é fácil tocar por acidente onde não queremos .

A ideia de ter dois ecrãs parece boa mas para mim é um empecilho

A ideia de ter dois ecrãs parece boa mas para mim é um empecilho

Pedi para testar também com a capa que lhe acrescenta outro ecrã. Já o tinha visto numa feira durante alguns minutos, mas agora tive oportunidade de usar um pouco mais. Aqui é que não me parece que valha a pena gastar dinheiro. Sinceramente acho o ecrã duplo uma tentativa desesperada de entrar no mercado dos ecrãs flexíveis e que não vai durar.

As poucas aplicações que estão preparadas para funcionar com dois ecrãs, jogos e até um browser mostram-se pouco práticas. Nem sequer se pode usar um carregador simples para carregar com esta capa dupla, precisamos de um acessório muito fácil de perder e nada prático. Nem me apetece perder muito tempo a escrever sobre o ecrã duplo. Pode ser que o mercado venha a provar que estou enganado, mas duvido. Para mim não tem futuro, ao contrário do LG Velvet.



LG Velvet - Bateria 4.300mAh, 6GB/128GB, Compatível com Dual Screen, preços na casa dos 430 euros dependendo das lojas.

A capa do ecrã duplo vista assim, fica muito bem, na prática torna o aparelho gordo e desengonçado

A capa do ecrã duplo vista assim, fica muito bem, na prática torna o aparelho gordo e desengonçado