Opinião

Surpresa Oppo Find X3 Pro

Não é fácil integrar tantas lentes no corpo do aparelho.

Lourenço Medeiros

De vez em quando aparece uma excelente surpresa. Já há algum tempo queria experimentar um Oppo.

Há mais telefones que nunca testei e tenho muita curiosidade mas surgiu a oportunidade e pedi mesmo para usar o Oppo Find X3 Pro.

E como é natural nestas apreciações mais vale deixar de lado o telefone… é um Android que está cada vez melhor, tem excelente aspecto gráfico, corre todas as aplicações como devia. É um topo de gama digno desse nome. Vamos então ao que faz alguma diferença: o design, a cor e as câmaras.

Sem truques, sem edição, saiu assim do telefone.

Sem truques, sem edição, saiu assim do telefone.

Lourenço Medeiros

O design impressiona porque todos os fabricantes se debatem com o espaço necessário para as câmaras. Também é o que lhes dá alguma graça se não eram só vidros com poucos botões de lado. Não é a única, mas a Oppo conseguiu aqui umas das soluções mais elegantes. Deve sair cara esta forma de embeber as câmaras nas costas do telefone. mas a diferença é que é de muito bom gosto. Ainda por cima, ao contrário do que eu esperaria, não se torna uma montra de impressões digitais, o material é mesmo bom, embora eu, por segurança, esteja a usar a capa protectora que vem incluída.

A cor: mil milhões de cores e cor de 10 bits. Esta é uma funcionalidade que tem que ser ligada e que muitos não usarão, porque gera um formato, HEIF, que não pode ser lido em qualquer aparelho e as imagens serão muito mais pesadas por terem mais informação.. Se enviar uma destas imagens para alguém há fortes hipóteses de que não seja lida noutro aparelho. Claro que com um click gera também um JPEG normal e partilhável nas redes. São muitos números e não é coisa que se consiga mostrar aqui. Qualquer profissional lhes dirá que a côr de 10 bits faz muita diferença, mas conta pouco para o dia a dia. Está também optimizado para fazer vídeos “cinemáticos” sem grande preocupação técnica do utilizador. Aliás o Find X3 Pro está cheio de características "profissionais" desde o ecrã específico para poder reproduzir mil milhões de cores até não um, mas dois, formatos RAW de fotografia, o formato dos profissionais porque retém mais informação ao captar imagens. Para quem usa saiba que o RAW + capta informação RAW mais HDR, para quem não usa basta saber que se pode pegar nesse ficheiro e fazer tudo o que se queira na edição.

E as câmaras: ok claro, de topo, duas, a grande angular e a ultra grande angular com sensores Sony de 50 MP. Excelente! E por aqui não há muito mais a dizer. O que tenho usado mais curiosamente é a teleobjectiva de 13 MP e a micro de 3 MP. Isso, 3 MP. Parece que já não se usa mas tem uma razão de ser. Esta lente até tem uma luz circular em volta , é uma luz para microfotografia se quiserem. As imagens que vamos fazer com esta lente têm que ter o objecto tão próximo que o próprio corpo do telemóvel vai tapar a luz natural. Praticamente temos que encostar a lenta ao que vamos fotografar e o resultado é muito divertido. Não será o que mais usamos no dia a dia, mas eu e alguns geeks somos capazes de passar horas a descobrir o que os nossos olhos não conseguem ver. O sensor da lente micro pode fazer até vídeo HD mas não será fácil filmar a estas distâncias. Os outros, claro, passam para 4K.

Nas imagens micro 30x e 60x temos que praticamente encostar a lente ao sujeito.

Nas imagens micro 30x e 60x temos que praticamente encostar a lente ao sujeito.

Lourenço Medeiros

Passo então para o que falta: a teleobjectiva de 13 MP. Tem zoom óptico 2x, híbrido 5x e digital, o tal que não é para usar de 20X. É o que me tem ocupado mais tempo de joelhos no campo. Percebi que esta lente me permite fazer fotografia macro a uma distância muito decente. Ao aproximar de uma flor com um insecto a certa altura notamos um pequeno salto na imagem e uma mudança na focagem. Passámos para o modo macro. As fotografias que aqui publico não estão "ampliadas" foram feitas assim mesmo. Alguns telefones podem permitir resultados semelhantes, mas temos que recortar a imagem para destacar o que nos interessa. Nestas, temos a satisfação instantânea de uma boa macro e, ao contrário de alguns concorrentes, sem que pareça uma pintura, tantos são os artefactos electrónicos que introduzem para tentar melhorar o que de facto não está lá. Este Oppo consegue resultados espantosos desde que tenhamos a paciência de observar. Só gostava de um aperfeiçoamento, poder escolher esta função macro como podemos escolher a micro. Esta macro é disparada automaticamente a determinada distância do assunto, Isto faz com que se estivermos a fotografar uma flor pequena que não ocupa a maior parte da imagem o sensor tente focar “fora” da flor e não passa para macro. Além de que, nos casos dos insectos, temos que criar o enquadramento que queremos e depois esperar que a câmara entenda e se decida a passar para macro. Podemos perder a oportunidade. Mesmo assim, nos últimos dias, tenho-me divertido muito e espantado alguns dos meus colegas profissionais com o que este “telemóvel” consegue fazer.

Há todo um mundo demasiado pequeno para o olho nu.

Há todo um mundo demasiado pequeno para o olho nu.

Lourenço Medeiros

Há depois muitas otimizações de software como a que permite usar uma foto de que gostamos especialmente dos tons para criar um filtro e reproduzir essas condições noutras imagens. Mas são tudo coisas divertidas para quem queira e possa gastar os cerca de 1200€ que nesta gama já não espantam ninguém mas que continuam muito longe da maioria das bolsas.