Análise

Costa na comissão de honra de Vieira. “É um erro óbvio porque se trata de um empresário que deve milhões”

A análise de José Gomes Ferreira ao apoio do primeiro-ministro à candidatura de Luís Filipe Vieira.

António Costa e Fernando Medina fazem parte da comissão de honra da candidatura de Luís Filipe Vieira às eleições do Benfica, em outubro. Para José Gomes Ferreira, trata-se de um erro óbvio de António Costa, que “ou não foi bem assessorado ou está consciente”.

Mas o mais grave, diz José Gomes Ferreira, é o primeiro-ministro continuar a insistir que esta é uma questão privada, quando não o é, como confirmou o Presidente da República ao revelar que será um dos assuntos na agenda da reunião semanal.

“O Presidente da República ao dizer que não comenta disse tudo. Já disse ao primeiro-ministro que é um assunto político e que o vai colocar na agenda da reunião”.

Para José Gomes Ferreira, António Costa tem duas soluções: ou retira o nome da lista da comissão de honra de Vieira até ao encontro semanal com Marcelo e reconhece o erro, ou o retira depois da reunião e “toda a gente vai dizer que foi Marcelo que o obrigou”.

Diz ainda que Luís Filipe Vieira está ligado ao “período mais negro da banca nacional” com empréstimos que ultrapassam os 800 milhões de euros, ao Novo Banco e à Caixa-Geral de Depósitos, e que o apoio de António Costa resultará num condicionamento dos magistrados do Ministério Público na investigação.

“Aparece um primeiro-ministro que aprovou um mecanismo para a venda do Novo Banco sabendo que os contribuintes tinham que lá pôr dinheiro (…), pusemos lá dinheiro e o primeiro-ministro diz ‘podes contar comigo que te apoio na candidatura’”, conclui José Gomes Ferreira.

Veja também:

  • Não estou de acordo

    Opinião

    Não estou de acordo com métodos medievais para enfrentar uma pandemia. Se os vírus evoluíram, a organização da sociedade também deveria ter evoluído o suficiente para os combater de outra forma. O recolher obrigatório é próprio dos tempos obscuros e das sociedades não democráticas. Proibir as pessoas de circular na rua asfixia a economia e não elimina a pandemia.

    José Gomes Ferreira