País

Absolvidos todos os arguidos do caso Bragaparques

O Tribunal Central de Lisboa absolveu hoje o ex-presidente da Câmara de Lisboa Carmona Rodrigues e os ex-vereadores Fontão de Carvalho e Eduarda Napoleão, acusados de prevaricação de titular de cargo político, no âmbito do processo Bragaparques. Em causa estaria o suposto favorecimento da Bragaparques em prejuízo do município.

(Arquivo Lusa)

(Arquivo Lusa)

LUSA

Para o tribunal, os arguidos não agiram "em conjunto e em conluio" para "beneficiar o particular" (Bragaparques), acrescentando que, numas situações houve "clara de falta de prova" e outras "dúvidas", aplicando-se, neste caso o princípio de "na dúvida absolve-se".

O processo remonta a 2005, quando a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou por maioria a permuta dos terrenos do Parque Mayer - então detidos pela empresa Bragaparques - com parte dos terrenos municipais da antiga Feira Popular, em Entrecampos. O negócio envolveu, ainda, a venda em hasta pública do lote restante da Feira Popular à Bragaparques, depois de a empresa ter exercido o direito de preferência, passando a deter a totalidade do espaço.

Os arquitetos José Azevedo e Rui Macedo, e Remédio Pires, dos serviços jurídicos do município, foram também absolvidos.

Com Lusa

  • MP pede cinco anos de prisão para Carmona Rodrigues e Fontão de Carvalho
    2:30

    País

    O Ministério Público pediu hoje a condenação dos arguidos do caso Bragaparques a penas de quatro e cinco anos de prisão. Entre eles está Carmona Rodrigues, antigo presidente da Câmara de Lisboa, acusado de prejudicar a autarquia no negócio da troca de terrenos da Feira Popular e do Parque Mayer. A procuradora da república admite que as penas possam ser suspensas, se os arguidos entregarem ao município mais de quatro milhões de euros.

  • Dono da Bragaparques diz que Santana devia estar no banco dos réus
    1:55

    País

    O presidente da Bragaparques garante que não fez donativos para a campanha que elegeu Carmona Rodrigues para a Câmara de Lisboa. A questão foi levantada esta manhã durante o julgamento da troca de terrenos do Parque Mayer e da Feira Popular. Domingos Névoa diz que não houve qualquer ilegalidade e que, a haver suspeitas, em vez de Carmona Rodrigues, teria de ser Santana Lopes a sentar-se no banco do réus.