País

Alerta para inundações e cheias devido à chuva forte

© Reuters

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou hoje para a possibilidade de cheias rápidas em meio urbano e inundações em zonas mais vulneráveis devido à precipitação e trovada para os próximos dias.

O alerta da ANPC surge após o contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que prevê para os próximos dias chuva acompanhada de trovoada em todo o país.

Segundo o IPMA, a chuva poderá cair forte a partir do final da tarde de hoje e até ao fim de sábado, particularmente na região de Lisboa, Setúbal e Algarve, com acumulados que podem atingir 20 a 30 milímetros em três horas.

Para as regiões do Norte e Centro, a precipitação poderá ser pontualmente forte entre o final do dia de sábado e o início da manhã de domingo.

A Proteção Civil adianta que o IPMA prevê também, entre domingo e segunda-feira, um possível agravamento das condições de instabilidade atmosférica, com fenómenos locais de aguaceiros e vento fortes acompanhados de trovoada, a afetarem sobretudo a região do sul.

Face às previsões meteorológicas, a ANPC alerta para a possibilidade de piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e cheias rápidas em meio urbano devido à acumulação de águas pluviais ou insuficiência dos sistemas de drenagem.

Inundações de zonas historicamente mais vulneráveis em resultado do transbordo de linhas de água e de estruturas urbanas subterrâneas em virtude de deficiências de drenagem são outros efeitos expetáveis para os próximos dias mencionados pela ANPC.

No aviso à população, a Proteção Civil recomenda a adoção de uma condução defensiva, reduzindo a velocidade tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água, e a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento.

A ANPC sugere ainda para não se atravessar em zonas inundadas e ter especial cuidado ao circular junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas.

Lusa