País

1º de dois dias de greve sem grande impacto nos aeroportos

Francisco Seco

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) alertou para os impactos da greve nos próximos dois dias das empresas que fazem o controlo dos passageiros, falando em atrasos em voos e até cancelamentos, mas a ANA garante que a paralisação não está a fazer grandes estragos nos aeroportos nacionais.

Segundo a ANA Aeroportos de Portugal que as operações decorrem com normalidade mas falta o balanço do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), que já informou não estar prevista qualquer concentração de trabalhadores como forma de protesto, além da paralisação.

Os trabalhadores das empresas Prosegur e Securitas estão em greve para exigir melhores condições laborais.

Num comunicado divulgado na sexta-feira, a ANA tinha informado que, face ao anúncio da greve e ao elevado aumento de tráfego registado nos últimos meses, era previsível que os procedimentos de controlo de segurança nos aeroportos nacionais fossem "mais demorados" nos dias 24 e 25 de dezembro.

Assim, recomendava que na véspera e dia de Natal os passageiros se desloquem para os aeroportos "com maior antecedência e sigam as instruções transmitidas pela sua companhia aérea, operador turístico ou agência de viagens".

A empresa sugeria ainda que os passageiros "procedam ao despacho de bagagem no 'check-in', para reduzir o número de peças a rastrear no controlo de bagagem de mão".

"A ANA lamenta os possíveis constrangimentos causados aos passageiros, indo desenvolver todos os esforços no sentido de minimizar os impactos que a greve possa causar", adiantava a empresa no comunicado.

Com Lusa