País

Professores anunciam manifestação nacional para 19 de maio

Os sindicatos de professores anunciaram esta segunda-feira a convocação de uma manifestação nacional para 19 de maio em Lisboa, prometendo "uma grande iniciativa" contra a ausência de negociações produtivas com o Ministério da Educação.

"Decidimos hoje marcar uma manifestação nacional de professores para 19 de maio. Queremos que seja uma grande iniciativa", disse aos jornalistas o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, acrescentando que quer um "Marquês de Pombal completamente cheio" às 15:00 desse dia.

Mário Nogueira falava numa conferência de imprensa, em Lisboa, que juntou as 10 estruturas sindicais que em novembro do ano passado assinaram uma declaração de compromisso com o Ministério da Educação para negociar questões de carreira e de salários dos professores.

Os sindicatos entendem que essa declaração não está a ser cumprida, não tendo para já qualquer reunião agendada para dar continuidade às negociações, que as estruturas esperavam já ter terminado por esta altura.

Perante o impasse, sobretudo no que diz respeito ao reconhecimento pela tutela de que o tempo de congelamento na carreira dos professores -- nove anos quatro meses e dois dias -- será contabilizado na íntegra, os sindicatos admitiram já hoje que a manifestação não seja a última ação de luta do ano.

A haver continuidade, o próximo protesto coincidirá, quase seguramente, com o período de avaliação do 3.º período.

"O Governo mantém a sua atitude, o Governo não reúne, o Governo não dá resposta, o senhor ministro não aparece e nós depois aí diremos o que vem a seguir, sabendo todos que não é durante o mês de agosto que vai haver qualquer coisa, portanto é bem provável que haja antes.

Desejamos por tudo não ter que chegar para além disto, mas se tivermos, chegamos, porque o que tem que ser resolvido são estes problemas que se arrastam há muito tempo e que são de justiça mínima", disse Mário Nogueira.

Falando para pais, alunos e professores, o líder da Fenprof disse compreender "perfeitamente as preocupações de quem vê isto chegar até aqui", dizendo que é também para não prejudicar as aulas que a manifestação está agendada para um sábado.

"Não iremos fazer a manifestação a um dia de semana com pré-aviso de greve - podíamos fazer - vamos fazer num sábado, não vai afetar, para já, as aulas, mas vai ser uma grande afirmação dos professores", disse.

Mário Nogueira disse que "ninguém ganha em levar esta confusão toda até ao final do ano", reafirmando a disponibilidade negocial dos sindicatos e lembrando que até à data da manifestação ainda decorre um mês.

Já em março as dez estruturas sindicais tinham convocado uma greve de professores, faseada em quatro dias pelas várias regiões do país, com o objetivo de pressionar o Governo a ceder às reivindicações sindicais, sobretudo no que diz respeito à contagem do tempo de serviço congelado, recusando a proposta entretanto apresentada pela tutela, que apenas pretende contar dois anos e dez meses dos mais de nove congelados.

Lusa