País

Governo recorre da decisão que suspende furo de petróleo em Aljezur

Rafael Marchante

O governo já recorreu da decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé que suspendeu a prospeção de petróleo em Aljezur, distrito de Faro. Segundo a PALP, a Plataforma Algarve Livre de Petróleo o executivo recorreu logo no dia seguinte à decisão judicial.

Rafael Marchante

A recurso foi comunicado pela Plataforma Algarve Livre de Petróleo que interpôs a providência cautelar que travou a licença atribuída ao consórcio Eni/Galp a 13 de agosto.

De acordo com a organização, o ministério do mar terá apresentado recurso logo no dia seguinte.

Há precisamente uma semana o secretário de Estado da Energia lembrava que o Governo já tinha cancelado autorizações para prospeção de petróleo em "48% do território do Algarve", ao largo de Peniche (Leiria) e também uma outra no sul do Algarve, persistindo ainda uma licença na zona da Batalha (Leiria).

  • Plataforma Algarve Livre de Petróleo aplaude decisão do Tribunal de Loulé
    0:53

    País

    O Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé deferiu a providência cautelar interposta pela Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP) para travar o furo de prospeção de petróleo que estava previsto ser feito a partir de setembro em Aljezur. Ana Matias aplaude a decisão do tribunal mas admite que ainda vai à luta por uma decisão definitiva. 

  • Marcha contra furo de petróleo em Aljezur
    2:22

    País

    Em defesa do clima e contra a prospeção de petróleo e gás natural no Algarve e Alentejo, realizou-se este sábado, em Lisboa, uma marcha que reuniu organizações ambientais, movimentos cívicos, autarcas e partidos políticos. Os manifestantes alertaram para os riscos ambientais e ecológicos que a prospeção de petróleo provoca.

  • Autarcas, empresários do comércio e turismo e ecologistas contra a exploração de petróleo no Algarve
    2:24

    País

    Presidentes das câmaras municipais do Algarve, empresários dos setores do comércio e do turismo e ambientalistas marcaram posição conjunta esta quinta-feira, em Loulé, contra a prospeção e exploração de petróleo ao largo do Algarve. Exigem uma audiência urgente com o primeiro-ministro e consideram que, se o Governo não voltar atrás na licença concedida para prospeção e exploração de petróleo ao largo de Aljezur, será uma declaração de guerra ao Sul do país. O consórcio formado pela ENI e pela GALP prevê realizar o furo a cerca de 40 quilómetros da costa, em maio de 2018.

  • Cidadãos protestam contra exploração de petróleo e gás no Algarve
    5:47

    País

    Uma marcha pacífica contra a exploração de gás e petróleo, na costa do Algarve e no litoral alentejano, realizou-se esta quarta-feira, em Lagos. A repórter da SIC, Conceição Ribeiro, esteve no local, onde falou com uma das organizadores da manifestação, que disse que um dos objetivos é exigir uma avaliação de impacto ambiental e sessões de esclarecimento para os cidadãos. "A Revolta da Santola" é o nome dado ao protesto contra o primeiro furo de prospeção em Aljezur.

  • Algarve volta a dizer "não" à exploração do petróleo em Aljezur
    1:15

    País

    No Algarve, mantém-se o protesto contra a prospeção do petróleo na costa sudoeste. Um grupo de ativistas, conhecido como Movimento Algarve Livre de Petróleo (MALP), esperou pelo ministro do Ambiente esta manhã, em Faro, para exigir o cancelamento dos trabalhos das petrolíferas, mas José Matos Fernandes não apareceu.

  • Portugal vai ter de continuar a usar petróleo em 2050, diz ministro do Ambiente
    0:54

    País

    O ministro do Ambiente considera que "é normal que um país se pergunte se quer continuar a ser dependente do exterior" e que "carbono zero não quer dizer petróleo zero". Ouvido esta quarta-feira na Comissão Parlamentar de Ambiente, sobre a decisão de não submeter a avaliação de impacto ambiental o furo de prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, João Matos Fernandes reiterou que se tratou de uma decisão administrativa, que respeita a lei, e defendeu que o país vai ter de continuar a usar petróleo. O ministro lembrou que atualmente o consumo de petróleo, totalmente importado, é de 78 milhões de barris por ano e que, em 2050, ainda será de 10 a 15 milhões/ano.

  • Governo não aprovará nova prospeção de petróleo até ao fim da legislatura
    2:29

    Economia

    Os ministros dos Negócios Estrangeiros e do Ambiente anunciaram esta quarta-feira uma moratória para novos contratos de prospeção e exploração de petróleo até ao final da legislatura. No mesmo dia, a Agência Portuguesa do Ambiente anunciou que o furo de prospeção de petróleo do consórcio ENI/GALP, em Aljezur, não será sujeito a Avaliação de Impacte Ambiental. A decisão está a gerar críticas de autarcas, empresários, associações de defesa do ambiente e partidos como o Bloco de Esquerda e Os Verdes.