País

O que diz o relatório preliminar ao acidente em Valongo

OTAVIO PASSOS

Relatório preliminar da Autoridade Nacional da Proteção Civil aponta falhas à NAV Portugal e ao 112.

O documento refere que a demora da NAV Portugal e do 112, do Porto, para contactar o centro de coordenação de salvamento da Força Aérea pode ter comprometido o tempo de resposta dos meios de busca e salvamento.

As conclusões preliminares apresentam cinco pontos:

  • Condições meteorológicas e as características do terreno foram determinantes para as buscas desde a chegada dos operacionais ao teatro das operações.

  • A NAV não cumpriu o estipulado na Diretiva Operacional Nacional n.º 4. do Dispositivo Integrado de Resposta a Acidentes com Aeronaves. Ou seja, me vez de contactar a RCC, Centro de Busca e Salvamento da Força Aérea, fez as suas próprias diligências.

  • O CDOS do Porto foi alvo de seis tentativas de contacto, apenas uma ficou sem resposta.

  • O 112 não alertou o CDOS do Porto nem a Proteção Civil

  • A NAV Portugal e o 112 demoraram demasiado tempo a contactar a Força Aérea o que poderá ter comprometido o tempo de resposta dos meios de busca e salvamento.

Quatro pessoas perderam a vida, sábado passado, na sequência da queda de helicóptero do INEM, no concelho de Valongo, distrito do Porto. A bordo viajavam dois pilotos, um médico e uma enfermeira.

  • “A espera” de uma mãe e uma luta que dura há 10 anos
    22:00