País

Altice saúda decisão do Governo de prolongar contrato para serviço de postos públicos

O Executivo pretende que haja um único prestador de serviço para todo o território.

A Altice aplaudiu a decisão do Governo de prolongar o contrato com a Meo para serviço universal de postos públicos. Em comunicado, a Altice Portugal diz que sempre defendeu o interesse público deste serviço, adianta ainda que os postos públicos garantem um tratamento igual a todos os portugueses.

"A Altice Portugal sempre defendeu o interesse público deste serviço, que garante a todos os portugueses tratamento igual, tratando-se de um serviço crucial sobretudo em territórios de mais baixa densidade populacional. Esta tem sido a postura da Altice Portugal, que trata o território e as suas populações de forma igual, investindo de forma continuada em todo o país, garantindo a todos os portugueses conetividade de última geração e igualdade de acesso e oportunidades.", refere a empresa em comunicado enviado às redações.

A decisão do Governo surgiu depois da Autoridade Nacional de Comunicações ter recomendado que fosse designado através de um concurso público um prestador nacional para telefone fixo e outro para o serviço de postos públicos.

Na terça-feira, o Executivo anunciou que decidiu prorrogar o contrato com a Meo para a prestação do serviço universal de disponibilização de postos públicos "transitoriamente".

A nota do Ministério das Infraestruturas e Habitação indica que o Executivo decidiu prolongar o contrato, "relativo à prestação do serviço universal de disponibilização de postos públicos (como cabines telefónicas), transitoriamente, até que seja designado um prestador de serviço universal para o mesmo serviço, na sequência de um procedimento concursal ou até que a lei venha a dispensar essa designação".

O Governo pretende que haja um único prestador de serviço para todo o território e pede ainda ao regulador para que, nos próximos 10 meses, existam postos públicos de nova geração.

BE defende que controlo do SIRESP pela Altice é um erro

Catarina Martins inistiu esta terça-feira que é um erro que o SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) seja controlado pela Altice e, por isso, vai propor o fim da parceria público-privada.

Tribunal de Contas volta a impedir investimento na rede SIRESP

Também esta terça-feira, o Tribunal de Contas volta a impedir investimento na rede SIRESP. O ministro da Administração Interna negou irregularidades e garante que se trata apenas de questões processuais. Em conferência de imprensa, o ministro falou ainda da polémica do número de horas em que a rede SIRESP esteve inativa.

  • 76 mortes e 4.268 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O último balanço de vítimas da Covid-19 em Portugal é de 76 mortes e 4.268 infetados. O primeiro-ministro britânico Boris Johnson testou positivo para o novo coronavírus. Está em isolamento, mas vai continuar a liderar a resposta britânica à pandemia. Siga aqui ao minuto últimas informações sobre a pandemia de Covid-19.

    SIC Notícias