País

Quatro militares da GNR detidos por agressões

Quatro arguidos estão indiciados dos crimes de ofensa à integridade física qualificada, sequestro agravado e violação de domicílio por funcionário.

Quatro militares da GNR dos postos de Odemira e de Vila Nova de Milfontes, no distrito de Beja, foram esta quarta-feira detidos por suspeitas de ofensa à integridade física qualificada, de sequestro agravado e de violação de domicílio por funcionário.

Em comunicado, a Polícia Judiciária (PJ) explica que, através do Departamento de Investigação Criminal de Setúbal, conjuntamente com os comandos territoriais de Beja e de Setúbal da GNR, tem em curso uma operação que visa dar cumprimento a quatro mandados de detenção emitidos pela autoridade judiciária competente, contra militares colocados à data dos factos nos postos da GNR de Odemira e de Milfontes.

Estes quatro arguidos estão indiciados dos crimes de ofensa à integridade física qualificada, de sequestro agravado e de violação de domicílio por funcionário, crimes alegadamente "praticados no início de outubro" de 2018, no concelho de Odemira.

Os detidos vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.

Segundo fontes contactadas pela SIC, tudo terá começado após um desentendimento, em outubro do ano passado, entre imigrantes nepaleses, trabalhadores agrícolas, e o homem que serviu de intermediário para a vinda para Portugal.

Um dos militares detido é amigo do empresário e acabou por interferir no desacato. Chamou para isso outros três militares, juntos terão ido a casa onde vivem os nepaleses e agrediram brutalmente pelo menos dois homens.

Com Lusa