País

Sindicato considera "interessante" proposta apresentada pela Central de Cervejas

Administração da Sociedade Central de Cervejas em Vialonga, em Lisboa, apresentou hoje aos representantes dos trabalhadores uma proposta negocial que estes consideram "interessante" e que será levada a plenário na quarta-feira.

"A reunião correu bem, temos uma proposta negocial da parte da administração que estamos confortáveis para levar a plenário", afirmou Rui Matias, do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), no final do encontro, que decorreu entre as 09:30 e as 13:00.

Escusando-se a revelar os termos da proposta antes da sua comunicação aos trabalhadores, em plenários a realizar às 14:00 e às 16:00 de quarta-feira, o dirigente disse apenas que, "na ótica" do sindicato, é uma "proposta interessante".

Os trabalhadores da SCC cumpriram na semana passada uma greve parcial, em três períodos diários de duas horas, por aumentos salariais e progressão na carreira, tendo o protesto culminado com o agendamento pela administração de uma reunião para hoje, para apresentação de uma proposta de acordo.

O protesto abrangeu os cerca de 300 trabalhadores da produção (ficando de fora outros tantos afetos a outras áreas do negócio, como as administrativas e comerciais), que reclamam "aumentos salariais dignos e justos", que diminuam a atual "desigualdade salarial", designadamente uma atualização "na ordem de 4%", num mínimo de 40 euros, e de 1% no subsídio de turno.

Os trabalhadores pretendem ainda uma revisão das avaliações, das promoções e das carreiras profissionais, já que sentem "um desagrado muito grande" a este nível.

"O desenvolvimento profissional está completamente estagnado. Há cerca de 13 anos que o modelo de evolução profissional contemplou menos de 10% dos trabalhadores, num total de cerca de 350, ou seja, estamos a falar de 20 e poucos trabalhadores que tiveram algum desenvolvimento profissional neste período", explicou à Lusa o dirigente do SINTAB.

Dependente da chegada a acordo com a SCC, dona da cerveja Sagres, está a eventual realização uma greve ao trabalho suplementar aos sábados, domingos, feriados e a "tudo o que seja para além do horário de trabalho".

Contactado pela Lusa, o diretor de comunicação e relações institucionais da SCC, Nuno Pinto de Magalhães, garantia no passado dia 06 que a empresa está aberta "ao diálogo", recordando que nos últimos três anos o acordo alcançado em termos salariais "foi sempre acima do valor da inflação verificada": em 2016 o aumento foi de 2% de aumento, num mínimo de 20 euros, em 2017 ascendeu a 30 euros, e em 2018 a subida foi de 2%, num mínimo de 20 euros, acrescido de um prémio individual de 1.000 euros para todos os colaboradores abrangidos pelo acordo de empresa".

Lusa

  • Quem são os Hells Angels?
    2:52
  • O preconceito e os receios em torno das doenças mentais
    30:52
  • O caos nos registos
    18:55