País

Advogados dos detidos da operação "Teia" vão recorrer para Tribunal da Relação do Porto

A operação "Teia" investiga suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio.

Os advogados dos quatro detidos no âmbito da operação "Teia" vão recorrer para o Tribunal da Relação do Porto para suscitar a nulidade do processo, alegando incompetência do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto.

A revelação foi feita à Lusa pelo advogado Nuno Cerejeira Namora, que faz a defesa do presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, após terem sido indeferidos pelo TIC dois requerimentos apresentados durante a tarde de hoje.

A posição dos advogados surge na sequência da alegação levantada na quinta-feira por Nuno Brandão, advogado de Joaquim e Manuela Couto, quando, em declarações à Lusa, disse estarem "em causa crimes que constam do catálogo dos crimes que são da competência do Departamento Central de Investigação e Ação Penal [DCIAP] " e não do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto".

Os detidos pela Polícia Judiciária (PJ) na quarta-feira, no âmbito desta operação, foram os presidentes das câmaras de Barcelos, Miguel Costa Gomes, e de Santo Tirso, Joaquim Couto, o presidente do IPO/Porto, Laranja Pontes, e a empresária Manuela Couto, administradora da W Global Communication, que já tinha sido constituída arguida em outubro, no âmbito da operação Éter, relacionada com o Turismo do Norte.

A operação "Teia" centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos bem como no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto e investiga suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio, traduzidas na "viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto", segundo comunicado da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária, o órgão de polícia criminal que apoia o Ministério Público neste caso.

Os arguidos chegaram ao TIC em três carros da Polícia Judiciária (PJ), a partir do estabelecimento prisional anexo à PJ/Porto, sendo que Joaquim Couto e Manuela Couto chegaram na mesma viatura.

Lusa