País

Interrogatórios da operação "Teia" prosseguem este sábado

A operação "Teia" centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos bem como no IPO do Porto.

Os interrogatórios da operação "Teia", que começaram na sexta-feira às 10:00 no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto, foram interrompidos pelas 23:00, quando o juiz de instrução criminal ouvia a empresária Manuela Couto, sendo retomados este sábado às 10:00.

No âmbito da operação "Teia", foram detidos na quarta-feira o presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, o presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto, e a sua mulher, a empresária Manuela Couto, e o presidente do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, José Maria Laranjo.

Na sexta-feira, o juiz de instrução criminal Artur Guimarães interrogou os dois presidentes de câmara. Posteriormente, foi presente a juiz Manuela Couto.

Detidos confrontados com escutas da Polícia Judiciária

Depois de cerca de três horas de interrogatório, a empresária foi dispensada e marcado o regresso dos detidos ao TIC para as 10:00 de hoje, momento em que Manuela Couto terminará as declarações, seguindo-se o presidente do IPO do Porto, que hoje passou à condição de reformado, informou fonte judicial.

À saída do TIC nenhum dos advogados se mostrou disponível para falar, com Nuno Brandão, que representa o casal Couto, a prometer declarações no final dos interrogatórios e após serem conhecidas as medidas de coação.

O que está em causa na Operação Teia

A operação "Teia" centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos bem como no IPO do Porto e investiga suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio, traduzidas na "viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto", segundo comunicado da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária, o órgão de polícia criminal que apoia o Ministério Público neste caso.

Com Lusa

  • "O hospital não interna doentes em refeitórios"
    7:14