País

Empresária nega ter burlado padre com publicidade em listas telefónicas

O esquema decorreu entre agosto de 2010 e fevereiro de 2011.

Uma das duas mulheres acusadas de burlar um padre com publicidade em listas telefónicas e roteiros negou hoje o crime, no início do julgamento, no tribunal da Feira.

"Nesta fase estava grávida e nem estava na empresa. Nunca falei com o senhor padre", afirmou a mulher, que está acusada de um crime de burla qualificada, juntamente com outra arguida.

Perante o tribunal, a mulher, que foi sócia gerente de uma empresa de publicidade entretanto extinta, admitiu que foram feitos sete contratos com o assistente, adiantando que os montantes referidos na acusação do Ministério Público (MP) foram pagos e os serviços foram prestados.

A empresária negou, contudo, a existência de contactos para o assistente a dizer que tinha uma divida.

"Não estava lá, mas posso garantir que as minhas funcionárias não falaram assim. Não admitia que falassem desses modos porque senão eram despedidas", afirmou.

A segunda arguida, que foi sócia gerente de uma outra empresa do mesmo ramo, optou por não prestar declarações no início do julgamento.

O processo chegou a ter oito arguidos, mas só dois chegaram a julgamento porque os restantes chegaram a acordo com o pároco para pagar parte dos prejuízos causados e duas das sociedades arguidas já estão extintas.

Segundo a acusação do MP, o esquema durou entre agosto de 2010 e fevereiro de 2011, causando um prejuízo de mais de cem mil euros às paróquias de Milheirós de Poiares (Feira) e Macieira de Sarnes (Oliveira de Azeméis), onde o padre exercia funções.

Durante este período, os arguidos terão contactado dezenas de vezes o pároco, convencendo-o a pagar faturas de publicidade em listas telefónicas, inserida à sua revelia e sem a prévia assinatura de contrato publicitário.

A vítima estranhava os contactos porque sabia que não tinha celebrado nenhum contrato de publicidade, mas os arguidos ameaçavam que se não pagasse a dívida esta iria ser exigida judicialmente e o padre, devido ao seu estado de saúde e à sua idade avançada, acabava por fazer o pagamento.

"A Paróquia, como instituição de acolhimento a quem precisa, não se pode dar ao luxo de gastar/esbanjar dinheiro, que é fruto das ofertas dos fiéis, em coisas supérfluas, quando tem tantas carências a quem dar resposta imediata (...). Já gastámos convosco muito para além do nosso parco orçamento. E o povo não nos perdoa!", escreveu o padre, numa carta enviada a uma das empresas, onde pedia o cancelamento de futuras edições.

LUSA

  • Palestinianos boicotam cimeira organizada pelos EUA no Bahrein
    2:50
  • André Rieu fez um vídeo para os fãs portugueses
    0:38