País

Hospital de São João no Porto pede a 14 empresas que apresentem candidaturas para nova ala pediátrica

O protejo de arquitetura da ala está "em fase de revisão técnica".

O Centro Hospitalar São João (CHUSJ), no Porto, convidou hoje 14 empresas de construção a apresentarem candidaturas à empreitada da nova ala pediátrica, "obra com especial complexidade técnica" que deverá começar ainda este ano, anunciou hoje o hospital.

"Em face da urgência da construção da ala pediátrica, a Lei do Orçamento do Estado para 2019 autoriza o CHUSJ a recorrer ao procedimento de ajuste direto na contratação da empreitada. No entanto, por razões de transparência e de defesa do superior interesse público, entendeu-se constituir um grupo de trabalho que pudesse estabelecer os critérios para selecionar o conjunto de empresas habilitadas para uma empreitada desta dimensão, para serem convidadas a apresentar propostas para a sua execução", refere a unidade hospitalar, em comunicado.

O São João adianta que as 14 empresas foram identificadas pelo grupo de trabalho presidido pelo presidente da Ordem dos Engenheiros/Norte, Poças Martins.

"A coordenação deste grupo por um representante da Ordem dos Engenheiros pretende assegurar a total transparência do processo, bem como o rigor nas decisões técnicas", sustenta.

O hospital acrescenta que o protejo de arquitetura da ala pediátrica está "em fase de revisão técnica, limitando eventuais erros ou omissões, de acordo com as exigências legais em vigor".

"Nesse sentido, pretende-se que no final do mês de junho o projeto de execução final seja remetido às empresas selecionadas, para análise e apresentação definitiva das propostas", sublinha o São João.O CHUSJ diz ainda que o processo de construção da ala pediátrica "está a decorrer sem atrasos, prevendo-se o início da obra no decorrer do ano de 2019".

Há dez anos que o hospital tem um projeto para construir uma ala pediátrica, mas desde então o serviço tem sido prestado em contentores.

Na semana passada, as crianças com cancro foram transferidas dos contentores para o edifício principal do São João.

Nesse dia, a enfermeira diretora Filomena Cardoso, membro do conselho de administração, anunciou que as 24 crianças do serviço de pediatria geral daquele hospital permanecerão em contentores até ao final deste mês, altura em que serão internadas num edifício exterior ao principal.

"A parte pediátrica que está no exterior [do edifício principal do S. João] tem uma área de contentores e uma área de alvenaria. A partir de 30 de junho só ficará a funcionar a área de alvenaria, com o internamento pediátrico", afirmou Filomena Cardoso.

LUSA