País

Ministério Público abre inquérito a circunstâncias da morte de Ruben de Carvalho

Para apurar eventual negligência hospitalar.

O Ministério Público abriu um inquérito para apurar eventual negligência hospitalar no internamento do histórico dirigente do PCP Ruben de Carvalho, que morreu na terça-feira em Lisboa com 74 anos, confirmou à Lusa a Procuradoria-Geral da República.

"Confirma-se a existência de um inquérito dirigido pelo Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa", respondeu a procuradoria à agência Lusa, após questionada sobre uma investigação relacionada com "eventual negligência médica" na morte do dirigente communista.

De acordo com a PGR, a investigação "não tem arguidos constituídos".

O histórico dirigente comunista morreu na terça-feira passada no seguimento de uma queda, no hospital de Santa Maria onde estava internado, e o funeral realizou-se no domingo em Lisboa.

Queda no hospital

Ruben Carvalho tinha sido internado por causa de problemas na vesicula.

Terá caido durante o internamento e, nesse mesmo dia, entrou em coma. Acabou por morrer três semanas depois.

Das detenções no Estado Novo à criação da Festa do Avante!

Ruben de Carvalho era o único membro do atual Comité Central do PCP que tinha estado preso nas prisões da PIDE, a polícia política da ditadura finda em 25 de Abril de 1974.

Foi responsável na Câmara Municipal de Lisboa pelo Roteiro do Antifascismo e fazia parte da organização da Festa do Avante! desde o seu início, em 1976.

Jornalista de profissão, Ruben de Carvalho foi também chefe de redação do semanário "Avante!", órgão central do PCP, entre abril de 1974 e 1995, chefe de redação da revista "Vida Mundial" e redator coordenador do jornal "O Século".

Ruben de Carvalho manteve, na RDP1, o programa "Radicais Livres", onde debatia temas de atualidade com Jaime Nogueira Pinto.

O histórico comunista foi membro das "comissões juvenis de apoio" à candidatura do General Humberto Delgado, chefe de gabinete do Ministro Sem Pasta, Francisco Pereira de Moura, no I Governo Provisório após o 25 de Abril de 1974, deputado à Assembleia da República eleito pelo distrito de Setúbal e vereador nas câmaras municipais de Lisboa e Setúbal.

Ruben de Carvalho aderiu ao Partido Comunista Português em 1970. Foi funcionário do partido entre 1974 e 1997 e era membro do Comité Central desde 1979.

Tinha 74 anos e era o único membro no atual Comité Central do PCP que tinha estado preso nas cadeias da PIDE durante o Estado Novo.

Lusa