País

Helena Carreiras vai ser primeira mulher diretora do Instituto de Defesa Nacional

O mandato tem a duração de cinco anos.

A professora universitária Helena Carreiras vai suceder a partir do dia 5 de julho ao general Vitor Viana na direção do Instituto da Defesa Nacional (IDN), tornando-se a primeira mulher no cargo, disse à Lusa fonte da Defesa.

Professora associada no ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa nas áreas da Sociologia, Políticas Pública, Segurança e Defesa, Helena Carreiras será a primeira mulher na direção do IDN, tendo já exercido funções como subdiretora daquele instituto, entre 2010 e 2012.

Especialista em sociologia militar, assegurou a coordenação científica do estudo apresentado pelo Ministério da Defesa em abril passado sobre a satisfação organizacional dos voluntários e dos contratados das Forças Armadas, no qual foram ouvidos 5.136 elementos do Exército, 1.366 da Força Aérea e 819 da Marinha.

Sobre o processo de nomeação de Helena Carreiras, de acordo com fonte da Defesa, o nome da professora universitária foi a concurso na Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública e a tomada de posse está marcada para o dia 5 de julho. O mandato tem a duração de cinco anos.

O general Vítor Viana, 66 anos, tomou posse como diretor do Instituto da Defesa Nacional em 2010 e atingiu o limite de idade em julho do ano passado, estando com uma "prorrogação excecional de mandato em regime de substituição", segundo disse à Lusa, no passado dia 9 de maio, o gabinete do ministro da Defesa.

Helena Carreiras foi presidente da `European Research Group on Military and Society´ entre 2017 e 2019, integrou, entre 2011 e 2012, o Conselho do Ensino Superior Militar e é membro do Conselho Geral do Instituto Universitário Militar desde 2017.

Entre a obra publicada, destacam-se "Gender and the militar. Women in the armed forces of western democracies", em 2006, sobre as mulheres nas forças armadas nos países ocidentais e a "Participação Militar Feminina na Europa do Sul", em 2002.

O IDN tem, entre outras, a atribuição de promover a investigação, o estudo e a divulgação das questões ligadas à segurança e defesa e as relações entre civis e militares, realizando cursos, seminários e ações de formação nestas áreas.

O ex-ministro da Defesa Nuno Severiano Teixeira foi o primeiro civil a ocupar o cargo de diretor do IDN, entre os anos de 1996 e 2000.

O historiador António Telo e o professor João Marques de Almeida também assumiram a direção do IDN em anos anteriores. Sucedendo ao Instituto de Altos Estudos da Defesa Nacional fundado em 1967, o IDN foi criado em 1976 e teve como diretores os oficiais generais Garcia Leandro, Aníbal Ferreira da Silva, Valença Pinto, Cabral Couto e Tomás Conceição Silva, entre outros.

Lusa

  • Doente deitada no chão do hospital?
    2:20