País

PSP detém suspeito de burla que se tinha evadido de prisão no Brasil

Homem é suspeito de burlas que envolveram roubo de identidade.

A PSP anunciou este domingo a detenção de um homem suspeito de burlas que envolveram roubo de identidade, em Portugal e no estrangeiro, e que já se tinha evadido de uma prisão brasileira.

O homem, de 57 anos, foi detido na quinta-feira, e encontra-se em prisão preventiva, a medida de coação máxima, decretada pelo Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, ao qual foi presente para primeiro interrogatório, anunciou o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, em comunicado.

A detenção foi realizada em cumprimento de dois mandados de busca, sendo o homem "suspeito da prática de vários crimes de furto e uso de documento alheio, falsificação de documentos e burla qualificada", praticados não só em Portugal, mas também noutros países, como o Brasil, Argentina, Espanha e França.

"As burlas consistiam na usurpação da identidade das vítimas, em nome das quais criava empresas de trabalho temporário, geralmente ligadas ao ramo da construção civil, fazendo-se passar por engenheiro civil ou por arquiteto", explica a PSP.

O 'modus operandi' ia no sentido passar recibos em nome daquelas empresas, apresentando rendimentos do trabalho, "pelo que no final do ano fiscal, as vítimas, eram confrontadas com rendimentos muito superiores ao que realmente auferiam durante o ano, sobre os quais tinham de pagar IRS sobre o rendimento" e, "constatavam que tinham, em seu nome, uma empresa de trabalho temporário que desconheciam".

"O suspeito utilizou várias identidades que se vieram a confirmar usurpadas, tendo pendentes quatro mandados de detenção, um dos quais se solicitava a sua detenção por se encontrar indiciado na prática de dez crimes de falsificação e contrafação de documentos e 11 crimes de burla qualificada, que já tinha levado à sua captura, no Brasil, através de um mandado de captura internacional, de onde se evadiu do estabelecimento prisional, onde aguardava extradição para Portugal", revelou a PSP.

Nas buscas foram apreendidos computadores, telemóveis, cartões SIM, entre outros equipamentos, e também documentação.

Lusa