País

José Manuel Coelho condenado a 3 anos e meio de prisão efetiva

Dirigente do Partido Trabalhista Português condenado por quatro crimes de difamação agravada e dois de desobediência.

O líder do Partido Trabalhista Português (PTP), José Manuel Coelho, foi esta sexta-feira condenado a três anos e meio de prisão efetiva por quatro crimes de difamação agravada e dois de desobediência

O político madeirense foi ainda condenado a pagar 28 mil euros em indemnizações.

José Manuel Coelho, deputado do PTP-Madeira

José Manuel Coelho, deputado do PTP-Madeira

O tribunal determinou a efetividade da pena pelos antecedentes do arguido, com várias sentenças no âmbito da sua atividade política, por considerar que José Manuel Coelho tem propensão para este tipo de crimes contra a honra das pessoas e mostrou não acreditar na Justiça.

Na primeira reação aos jornalistas após a condenação, José Manuel Coelho garantiu que sempre procurou defender a população e diz que hoje é um dia triste para os democratas e autonomistas da Madeira.

O dirigente do PTP estava acusado de difamação a várias pessoas, nas quais se incluem uma procuradora do Ministério Público, um antigo funcionário do PSD-Madeira e até representantes da Sociedade Portuguesa de Autores.

Ainda assim, o coletivo presidido pela juíza Teresa Sousa absolveu José Manuel Coelho da maior parte dos crimes de que estava acusado, tendo ainda absolvido neste processo o diretor do Diário de Notícias da Madeira, Ricardo Oliveira, e o presidente do PTP, Amândio Madaleno.

Os 11 processos foram reunidos num único julgamento que decorre no Tribunal Central da Comarca da Madeira, no Funchal.

Em maio, o Ministério Público tinha pedido três anos de prisão para José Manuel Coelho.

Depois de ter sido adiado cinco vezes por diferentes razões, o julgamento do político madeirense começou em 25 de fevereiro. A leitura do acórdão esteve inicialmente agendada para 28 de junho, tendo sido adiada para esta sexta-feira.