País

Morreu o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, André Gonçalves Pereira

João Carlos Santos

Tinha 83 anos.

O advogado e professor de Direito Internacional foi um dos mais importantes discípulos de Marcelo Caetano na Faculdade de Direito de Lisboa, onde teve uma carreira fulminante e escreveu, a meias com Fausto de Quadros, o Manual de Direito Público, que ensinou gerações e gerações de estudantes em Portugal. Doutorou-se aos 25 anos e passou a Professor Catedrático aos 32, um caso extremamente raro na universidade da época.

Quase toda a sua carreira se dividiu entre a advocacia e o ensino na Faculdade de Direito de Lisboa, mas também lecionou no Brasil e nos Estados Unidos. Foi nomeado administrador da Gulbenkian aos 30 anos.

Na frente política recusou a pasta dos Negócios Estrangeiros no Governo de Marcelo Caetano, mas depois do 25 de Abril aceitou o convite para integrar o segundo Governo da AD - Aliança Democrática, em 1981, chefiado por Francisco Pinto Balsemão, um dos seus mais chegados amigos.

Foi um dos mais importantes advogados portugueses, sobretudo em temas de Direito Internacional, tendo protagonizado uma das mais importantes fusões da advocacia ibérica, fundando a Cautrecasas/Gonçalves Pereira, e assessorou o Estado português em dossiês e negociações de Direito Internacional, nomeadamente no Tratado de Maastricht.

André Gonçalves Pereira morreu esta segunda-feira aos 83 anos, vítima de doença prolongada.