País

Rosa Mota é confrade da cerveja

Atleta sente-se enganada por estar associada a uma bebida alcoólica no Pavilhão Rosa Mota, mas desde 2008 que o seu nome está na lista de confrades da cerveja.

Numa carta que Rosa Mota enviou à presidência da Câmara Municipal do Porto, na sequência da polémica mudança do nome do Pavilhão Rosa Mota, a atleta escreve que a associação do seu nome a uma bebida alcoólica lhe causa "enorme constrangimento" e questiona mesmo a legalidade da situação.

No entanto, a campeã olímpica é confrade honorária da Confraria da Cerveja desde novembro de 2008, participando em ações promocionais da Associação de Cervejeiros, cujo objetivo é contribuir para a “divulgação, prestígio e dignificação” da cerveja em Portugal.

Contactado pela SIC, o assessor e companheiro de Rosa Mota, José Pedroso, optou por não comentar o assunto, remetendo quaisquer esclarecimentos para a Confraria da Cerveja, da qual fazem parte outras figuras públicas como Luís Marques Mendes, Carlos do Carmo e Mira Amaral.

O desentendimento entre a atleta e a Câmara do Porto é motivado pela alteração da toponímia do pavilhão. Rosa Mota diz-se “enganada” pelo autarca, porque só terá acordado quanto à mudança do nome se este fosse “Pavilhão Rosa Mota – Super Bock Arena”, e não o contrário, que entretanto se veio a verificar.

Na carta enviada à Câmara do Porto a que a SIC teve acesso, Rosa Mota esclarece:

“Rui Moreira convidou-me para reunir com ele, na Câmara, e aí começou por afirmar exatamente o contrário dos senhores do Círculo de Cristal: ‘A toponímia não se muda’ e acrescentou, sabendo do meu enorme constrangimento em que o meu nome esteja ligado a uma bebida alcoólica e até da legalidade discutível desta situação: ‘Mas se a Rosa pudesse aceitar a bebida alcoólica (Super Bock) a Cidade beneficiaria muito’”.

Razão que, no mesmo texto, explica ser a justificação para a sua ausência da cerimónia de reabertura do recinto desportivo.

Na única vez que falou sobre o assunto, no decurso da sua intervenção na cerimónia de inauguração do espaço, Rui Moreira recuperou a relação histórica da cidade com o vinho.

"Não me venham com complexos por haver um nome associado a bebidas alcoólicas [na nova denominação do pavilhão que passou a chamar-se Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota] ", argumentou o autarca, enfatizando o facto de antes de haver um Porto conhecido pelo desporto e pela cultura, "já o era devido ao Vinho do Porto".

Entretanto, José Pedroso afirma-se pronto para uma “batalha que vai durar anos”.