País

Rio quer controlar comunicação de deputados com imprensa

Rio quer controlar comunicação de deputados com imprensa

As novas regras de comunicação impostas por Rui Rio não foram bem recebidas dentro do partido.

A partir de agora, os contactos entre deputados do PSD e os jornalistas têm de passar pela assessoria de imprensa do partido.

O objetivo é tornar a comunicação mais eficaz e mais coerente, ou seja, Rui Rio quer garantir que não volta a ter de lidar com casos em que a mensagem que a bancada passa através dos microfones dos jornalistas não muda em função do protagonista nem diverge do que defende o líder do partido.

E, para isso, a ordem é não falar com jornalistas sem autorização da assessoria de imprensa que, a partir de agora, passa a ser gerida por uma única equipa responsável pela divulgação de todos os conteúdos, venham eles da São caetano à Lapa ou de São Bento.

As novas regras, comunicadas aos sociais-democratas numa circular enviada na sexta-feira à tarde, divulgada pela revista Visão e confirmada pela SIC, causaram imediato desconforto.

Rio chama-lhe reestruturação. Os deputados, contactados pela SIC, chamam-lhe "Lei da Rolha".
Dizem que é inédito e inaceitável.

Não o dizem de viva voz, ou frente às câmaras para não piorar o clima que se vive na bancada parlamentar.

Ainda que tivessem essa intenção, a partir de agora teriam sempre de ter luz verde da assessoria.

  • Governo admite aumento de pressão sobre os hospitais

    Coronavírus

    No dia em que o balanço da Direção Geral de Saúde dá conta de 311 mortes e 11.730 casos de Covid-19 em Portugal, o Governo admite que aumentou a pressão sobre os hospitais. Esta segunda-feira, ficou ainda a saber-se que o País já tem um mapa de risco de infeção por coronavírus. Em Londres, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson está internado nos cuidados intensivos. Em Espanha, o número de óbitos desceu pelo quarto dia consecutivo. Já os Estados Unidos ultrapassaram as 10 mil mortes. O novo coronavírus matou, desde dezembro, 73.139 pessoas e infetou mais de 1,3 milhões em todo o mundo.

    SIC Notícias