País

A pergunta da semana: concorda com a castração química de pedófilos?

Vote aqui

Eric Gaillard

A castração química para pedófilos tinha discussão agendada no Parlamento a 28 de fevereiro, apesar de todos os partidos terem considerado inconstitucional a proposta do partido Chega, liderado pelo deputado André Ventura.

O projeto de lei deu entrada na Assembleia da República a 6 de dezembro de 2019, mas já vinha a ser discutido desde que André Ventura se desvinculou do PSD para fundar o Chega, que ganhou um assento parlamentar nas eleições de outubro. A proposta, que se tornou uma das principais bandeiras do partido, estava agendada para ser discutida pelos deputados no Parlamento a 28 de fevereiro, mas o Presidente da Assembleia da República decidiu que o projeto não será debatido em plenário, por não preencher os requisitos "do ponto de vista constitucional".

Este inquérito não obedece aos critérios de validade científica das sondagens e não pretende representar com rigor as opções do público em geral nem as dos utilizadores da Internet. Ele tem um valor meramente indicativo das preferências dos nossos leitores.

Concorda com a castração química para pedófilos? VOTE AQUI

Em que consiste o projeto de lei do Chega?

O projeto de lei tem como objetivo agravar as penas para crimes sexuais contra menores, bem como introduzir a pena acessória de castração química. Acabou por ser submetido na Assembleia da República, mesmo apesar de suscitar dúvidas jurídicas sobre a sua constitucionalidade, e foi levado à Comissão de Assuntos Consitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias sob a seguinte designação:

"Agravação das molduras penais privativas de liberdade para as condutas que configurem os crimes de abuso sexual de crianças, abuso sexual de menores dependentes e atos sexuais com adolescentes e criação da pena acessória de castração química"

Acrescenta-se ainda que, para o efeito, não seria necessário o consentimento do condenado, como acontece em vários países em que a castração química é legal.

Proposta inconstitucional?

A maior dúvida levantada até ao momento é a constitucionalidade da medida - que podia nem chegar a ser discutida no Parlamento caso Ferro Rodrigues não tivesse considerado que o texto não versa apenas a castração química, mas também outras medidas, como o agravamento das molduras penais para agressores sexuais.

A dúvida do Presidente da Assembleia da República foi a mesma da Comissão de Assuntos Consitucionais. Porém, os deputados acabaram por decidir que o projeto podia ser debatido em plenário, apesar da alegada violação da Constituição. Também os partidos com assento parlamentar fizeram saber a sua posição em relação a esta discussão. É considera por todos inconstitucional.

No parecer do Conselho Superior da Magistratura, solicitado pela Comissão, pode ler-se que as formas de punição que impliquem a agressão ao corpo ou ofensa da integridade física da pessoa são "violadoras da dignidade", um argumento utilizado também pelo parecer da comissão à qual o projeto de lei parece "não resistir ao crivo do juízo de inconstitucionalidade".

O Chega já acusou o presidente da Assembleia da República e os partidos, com exceção do CDS, de quererem dificultar o debate sobre a castração química. A acusação surgiu na sequência de um pedido feito por Ferro Rodrigues para que a Comissão de Assuntos Constitucionais faça um esclarecimento adicional sobre a proposta do partido.

Que outros problemas suscita?

O projeto em questão não define o período mínimo e máximo de duração do tratamento, nem o momento em que deve ser iniciado. Segundo o parecer do Conselho Superior da Magistratura (CSM), é o mesmo que dizer que a "proposta não regula a duração do tratamento".

Para além desta falha, o CSM considera discutível a eficácia do tratamento em casos da reincidência de abusos.

"Cessando o tratamento hormonal o agressor recupera o seu desejo sexual, elevando o risco de reincidência. (...) Acresce que, como é sabido, a simples falta de ereção pode não obstar a que determinado tipo de agressor sexual cometa outras formas de abuso, designadamente através de objetos", apontou a Conselho no parecer.

A Comissão de Assuntos Consitucionais pediu também pareceres ao Conselho Superior do Ministério Público, à Ordem dos Advogados, à Ordem dos Farmacêuticos e à Ordem dos Médicos.

O que é a castração química?

É um processo distinto da castração física, que envolve a mutilação dos genitais. Consiste na toma de medicamentos hormonais, que reduzem o nível de testosterona e inibem o desejo sexual durante um determinado período de tempo.

Apesar de ser um processo reversível, o tratamento tem efeitos colaterais entre os quais se destacam: fadiga, queda de cabelo, desenvolvimento de diabetes, problemas respiratórios, depressão, trombose, hipertensão, problemas na circulação sanguínea, aumento do colesterol, aumento das mamas (ginecomastia).

Em que países é legal?

Foi aplicada pela primeira vez em 1952, no Reino Unido, quando um cientista, punido por homossexualidade - na altura considerada uma doença - preferiu a castração química em vez de uma pena de prisão. Em consequência, perdeu algumas capacidades cognitivas e entrou em depressão, acabando por morrer passados dois anos.

Contudo, foi a partir da legalização na Califórnia que a medida se começou a tornar mais popular. Seguiram-se outros estados, como a Flórida, a Geórgia, Iowa, Louisiana, Montana, Orgen, Alabama e Wisconsin. Nos EUA, a castração é aplicada quando os agressores reincidem. Já noutros países, como o Reino Unido, Israel, França, a aplicação da castração química depende do consentimento do acusado.

A Polónia foi o primeiro país europeu a aprovar legislação em relação a esta matéria. Apesar de não falar especificamente de castração química, está prevista a medicação para a redução de impulsos sexuais. Na Rússia e na Coreia do Sul a castração química também é legal.

Verifica-se, portanto, que a castração química é aplicada como medida de tratamento, prevenção ou pena, em diversos países e discutida em outros, como é o caso do México, Colômbia, Brasil, Áustria e agora Portugal.