País

Detido por agredir dois agentes da PSP nas Olaias, em Lisboa

(Arquivo)

Após um acidente que levou a uma perseguição policial.

Dois agentes da PSP receberam assistência hospitalar depois de terem sido agredidos por um homem de 49 anos, entretanto detido, no Bairro Portugal Novo, junto às Olaias, em Lisboa, após um acidente que levou a uma perseguição policial.

Em comunicado hoje divulgado, o Comando Metropolitano da PSP de Lisboa avança que os factos ocorreram na quarta-feira, cerca das 19:45, aquando de um patrulhamento e vigilância, no âmbito do estado de calamidade, nas chamadas zonas urbanas sensíveis.

A patrulha detetou uma viatura a circular "em velocidade, sofrendo um despiste" em plena Rotunda das Olaias, em Lisboa, vindo a imobilizar-se no sentido contrário à marcha dos veículos.

De forma a perceber se teria sido um despiste ou acidente, os agentes dirigiram-se ao veículo em questão, cujo condutor, ao aperceber-se da abordagem, iniciou marcha "em grande velocidade", colocando-se em fuga.

Segundo as autoridades, foi-lhe dada voz de paragem de forma clara, que não acatou, efetuando gestos obscenos com os dedos da mão para o exterior da janela da viatura em direção aos agentes policiais.

O homem refugiou-se no interior do Bairro Portugal Novo, onde veio a ser intercetado num largo sem saída, onde continuou a recusar, "por diversas vezes, acatar as ordens legais", tendo saído "aos gritos da viatura, pedindo auxílio aos residentes para impedir e criar resistência à abordagem policial".

Tendo em conta a envolvente do local, e sendo uma situação de potencial risco, os polícias tiveram de efetuar "recurso passivo à arma de fogo, visando garantir uma abordagem em segurança para a identificação do indivíduo".

Durante a abordagem, o suspeito reagiu com violência, agredindo dois agentes, que viram a ação policial ser perturbada por dezenas de pessoas que entretanto saíram dos prédios, o que levou ao acionamento de reforço policial.

O suspeito e os agentes foram assistidos devido aos ferimentos, tendo os dois elementos policiais necessitado de se deslocar a unidade hospitalar para cuidados médicos.

De acordo com as autoridades, o suspeito "exalava forte odor a álcool e por se encontrar à altura na prática de condução de veículo automóvel" foi-lhe determinado que efetuasse teste qualitativo ao álcool, o que este recusou.

Desta forma, foram levantados autos de transgressão pelas infrações cometidas durante o exercício da condução e, depois de presente hoje à secção de Pequena Criminalidade, ficou com Termo de Identidade e Residência, tendo o processo baixado a inquérito.