País

Mulher que abandonou bebé num ecoponto acusada de homicídio qualificado na forma tentada

O Ministério Público terminou o inquérito e requereu o julgamento em tribunal coletivo contra a arguida.

A mulher que abandonou o filho recém-nascido no interior de um caixote do lixo em Lisboa, perto da discoteca Lux Frágil, no final do ano passado, vai ser julgada pelo crime de homicídio qualificado, na forma tentada.

O Ministério Público terminou o inquérito e requereu o julgamento em tribunal coletivo contra a arguida.

A arguida, grávida de 36 semanas, deslocou-se às imediações da discoteca "Lux Frágil", onde no dia 4 de novembro de 2019 deu à luz um bebé do sexo masculino. Após o nascimento, a mulher colocou o bebé dentro de um saco de plástico e colocou-o dentro de um ecoponto, abandonando depois o local.

O Ministério Público diz que a "morte do recém-nascido só não veio a concretizar-se por mera casualidade e intervenção de terceiros que o encontraram e lhe prestaram os cuidados de saúde de que carecia para viver".

Perante isto, o MP pediu ainda que a arguida continue sujeita à medida de coação de prisão preventiva.

Salvo por um sem-abrigo

O recém-nascido foi encontrado por um homem sem-abrigo. O homem foi alertado para o choro do bebé. Quando olhou para dentro do ecoponto, viu um pé de uma criança e pediu ajuda. Estas imagens mostram o momento em que o bebé é resgatado.

"Gesto cívico e humano"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez questão de agradecer ao sem-abrigo que encontrou bebé em caixote do lixo. Classificou o gesto de "cívico e humano".

Mães sem teto. Filhos sem Chão

O bebé encontrado num contentor do lixo chocou o país, mas não é caso único.

Segundo dados das Comissões de Proteção de Menores, em 2018, dez bebés foram abandonados à nascença ou nos primeiros seis meses de vida.