País

91,5% das águas balneares de Portugal são de excelente qualidade

PAULO CUNHA

Dados foram revelados pela Agência Europeia do Ambiente.

Portugal é o sétimo país da União Europeia (UE) com mais águas balneares de excelente qualidade, o equivalente a 91,5% do total, revelou hoje a Comissão Europeia, pedindo cumprimento das regras neste verão devido à pandemia de Covid-19.

Dados da Agência Europeia do Ambiente hoje divulgados pelo executivo comunitário revelam que "quase 85% das zonas balneares de toda a Europa monitorizadas em 2019 respeitavam as normas de qualidade mais elevadas e mais rigorosas da UE, sendo classificadas como excelentes".

Com uma percentagem de 91,5%, Portugal é o sétimo país europeu com mais praias com esta classificação, a seguir ao Chipre (99,1%), Áustria (98,5%), Malta (97,7%), Grécia (95,7%), Croácia (95,6%) e Alemanha (92,5%).

Estes dados divulgados hoje em relatório permitem dar "aos banhistas uma boa indicação dos locais onde podem encontrar as águas balneares de melhor qualidade", aponta a Comissão Europeia, pedindo, ainda assim, prudência dado o surto de Covid-19 na UE.

"Devido à Covid-19 e às medidas restritivas adotadas em toda a Europa, os cidadãos são aconselhados a procurar informações atualizadas junto das autoridades locais e nacionais e dos concessionários das praias sobre as medidas de segurança aplicadas nas zonas balneares", realça a Comissão Europeia.

Ao todo, para este relatório, foram monitorizadas 22.295 zonas balneares na Europa no ano passado (21.981 das quais no Reino Unido, que deixou de integrar a UE em fevereiro deste ano).

Segundo Bruxelas, a quase totalidade (95%) destas zonas balneares apresentava águas que cumpriam "os requisitos mínimos de qualidade".

Em meados de maio, a Comissão Europeia apresentou recomendações para os países retomarem a livre circulação na UE, suspensa devido à Covid-19, visando um restabelecimento acautelado dos serviços de transporte e do turismo a pensar no verão.

Nessas recomendações, Bruxelas pediu uma distância de 1,5 a dois metros em locais exteriores como praias, bem como a adoção de "disposições especiais para permitir o afastamento físico e a aplicação de medidas especiais de higiene".

Veja também: